Èric Zemmour “levanta a lebre” da imigração islâmica

 

Èric Zemmour levou com uma multa de 10.000 € por ter proferido o discurso (em baixo) no simpósio da Convention de la Droite. E o referido discurso já foi proibido no YouTube, mas ainda se mantém no FaceBook e no Twitter.

Naturalmente que pessoas como o José Pacheco Pereira ou a Catarina Martins dirão que Èric Zemmour é um “fundamentalista radical da extrema-direita”. Chegará o tempo em que quem não concordar com o guru Pacheco será considerado “fassista”.

 

A existência de pessoas de raça branca personifica o próprio “Mal”

A maioria da população de Londres (e de Birmingham!) já não é inglesa — a maioria já é composta pelos chamados “britânicos” imigrantes, mas que não são ingleses autóctones.

Weißen Vernichtung  web

Porém, os globalistas (apoiados pela extrema-esquerda marxista!) ainda não estão satisfeitos: querem estender o processo político de Vernichtung do povo autóctone, a todo o território inglês.

A grande inimiga do globalismo Neocon e do internacionalismo da extrema-esquerda, é a existência das culturas autóctones da Europa. Os brancos serão erradicados da Terra e a sua cultura de origem cristã será destruída — como preconizou o comunista Gramsci, com a bênção de George Soros.

O Paulo Portas provavelmente prefere os turcos

A nossa classe política é composta maioritariamente por aldrabões inveterados, hipócritas magistralmente dissimulados e sociopatas de alto coturno; e quem se atrever a denunciar-lhes a psicopatia é imediatamente apodado de “populista” e “demagogo”.

“Populismo” e “demagogia” são termos que a classe política dita “democrata” utiliza quando a democracia a assusta. paulo-portas-imigrantes-web

É a segunda vez, nos últimos seis meses, que Paulo Portas defende nos me®dia a imigração em massa para Portugal; provavelmente ele preferirá os turcos; e quem se atreve a questionar o seu desiderato é por ele classificado de “demagogo”.

Já o insigne pederasta Manuel Teixeira Gomes preferia os pubescentes berberes; e, procurando a (dele) felicidade, exilou-se na Argélia onde se dedicou à pederastia — triste sina!, a de um velho paneleiro…

suecos de gema web

Os suecos originários são hoje 63% da população da Suécia; e o Paulo Portas diz que “não há nenhuma tendência grave no fluxo imigratório” para a Europa. Ou seja, o Paulo Portas defende para Portugal um destino semelhante ao da Suécia (com muitos turcos, para uma maior “diversidade” e “escolha”).

beco-da-bicha-paulo-portas-web

Paulo Portas é o símbolo daquilo a que se convencionou chamar de “Direita” em Portugal. Como afirmou Álvaro Cunhal: “é uma coisa muito triste…!”

Ou seja, uma Direita que em muito pouco se distingue da Esquerda. Esta é uma das razões por que o CDS é um partido político em extinção — votar no CDS ou votar no Partido Socialista é praticamente a mesma coisa.

Vemos (ouvimos e lemos, não podemos ignorar) o que se passa hoje em países europeus que escancararam as suas portas à imigração — principalmente a imigração islâmica: a insegurança aumentou geometricamente, a atmosfera social tornou-se irrespirável. Mas conquanto se desenhe a possibilidade da “diversidade” de otomanos para o Portas, este continuará a defender o Turquestão em Portugal. E o país que se lixe! Afinal, ele não deixa descendência.

O “racismo intocável”. E quando o Costa falar em “mais imigração”, não nos esqueceremos do exemplo da locutora negra da TVI

Este pseudo-problema, o do racismo inventado pela Esquerda, não tem solução.

Vemos aqui em baixo a locutora negra da TVI, Conceição Queiroz, ao lado do radical de extrema-esquerda e racista negro Mamadou Ba, protestando contra a polícia portuguesa por causa de um acontecimento lamentável nos Estados Unidos; e na outra imagem a notícia da dita criatura que se queixou à polícia por ser assaltada.

mamadou-queiroz-webqueiroz-policia-web

Vemos, na primeira imagem, o racista e supremacista negro Mamadou Ba com uma camisa invocando a Cláudia Simões, a mulher negra que resistiu à acção da polícia (e foi detida) por se recusar a pagar o bilhete de autocarro (com a agravante de a acção ilícita dela ter sido praticado na presença da sua própria filha, dando-lhe o exemplo).

Esta gente não tem a noção do ridículo. A burrice é entendida como uma forma de inteligência. Verificamos que, para ser locutora da TVI, basta ter um QI inferior à média nacional.

Vemos, na imagem abaixo, o Paulo Fonseca, de 24 anos, assassinado por três negros (que declararam procurar deliberadamente vítimas de raça branca) no dia 28 de Dezembro de 2019. Não veremos, jamais, a referida criatura da TVI a lamentar sequer a morte de Paulo Fonseca — porque o “racismo intocável” dela (o racismo dos pretos) não pode ser (de modo algum!) colocado em causa.

paulo-fonseca-web

Esta gente alimenta-se espiritualmente da sanha racista negra — o “racismo intocável” — e do ressentimento que arruína e definha a alma humana.

E quando o António Costa falar em “mais imigração”, não nos esqueceremos do exemplo da locutora negra da TVI. Era só o que nos faltava!

Em geral (salvo honrosas excepções), a mulher que se diz “de direita” é quase sempre de Esquerda

Quando o jornal Observador surgiu, confesso que senti alguma esperança no jornalismo português; mas depressa essa esperança se desvaneceu — não porque o projecto fosse má ideia, mas antes porque muitos dos protagonistas do projecto são de má qualidade.

Dou como exemplo da “má qualidade” que pulula no Observador, a “advogada” Inês Azevedo (¿será ela advogada, ou licenciada em Direito? São coisas diferentes).

 ines-azevedo-imigrantes-web

Desde logo, a idade média dos portugueses (segundo o censo de 2019) não é 46 anos (como diz a referida avantesma), mas antes é de 44 anos. E depois, a idade média dos portugueses é similar à da média da União Europeia que é de 43 anos de idade. E, ademais, a taxa de fertilidade portuguesa é de 1,41 (2019) filhos por mulher, e não de 1,3 (como escreve o estupor).

Eu aposto que o referido estupor não tem filhos; e depois defende a importação de carne para canhão.

mlp-imigrationEstudos credíveis têm revelado que não existe uma ligação entre a imigração, por um lado, e o aumento da produtividade, por outro lado — a não ser que os imigrantes se sujeitem a condições de trabalho inumanas, como acontece em algumas áreas no sul dos Estados Unidos.

Pelo contrário!, quando os imigrantes são sujeitos às mesmas leis laborais dos autóctones europeus, a produtividade dos países europeus diminui — como acontece hoje, por exemplo, com a Suécia.

Na Alemanha, por exemplo, metade da população turca imigrante (cerca de 5 milhões) não trabalha e vive à custa do Estado alemão (ver ficheiro PDF). É isto que aquele estupor “causídico” defende para Portugal.

É-me muito difícil compreender a estrutura mental de estuporadas como a referida “advogada”. Normalmente, são as mulheres que defendem um aumento da imigração — quiçá, a procura subconsciente e ninfomaníaca de um pénis africano. Por razões desta ordem, eu defendo que as mulheres devem ter um acesso restrito na definição das políticas a seguir.

Em vez de defenderem medidas de incentivo à natalidade portuguesa — como está a fazer, por exemplo, a Hungria —, este tipo gentinha defende uma substituição da população europeia: é disto que se trata: a defesa da imigração não é um problema económico (nem pode ser, porque a imigração faz baixar a produtividade de um país), mas antes é um problema ideológico e político (o anti-europeísmo e a substituição da população europeia).

Paulo Portas não é credível

Não há muitos anos (talvez uma década), lembro-me de Pinto Balsemão afirmar, num programa de televisão da SIC acerca da demografia portuguesa, que Portugal estaria muito melhor (economicamente) se tivesse menos população.

Hoje vemos o Paulo Portas a defender a imigração para Portugal.

Não há, nas duas personagens acima referidas, uma grande diferença de background político — dado que os dois estão vendidos ao globalismo; servem ambos o mesmo amo (a plutocracia globalista) —, o que denota a desorientação das “elites”.
Esta gente não é credível.

soros-erdogan-web

Naturalmente que, para os globalistas portugueses (e para a Esquerda trotskista), está fora de questão a defesa de políticas de apoio estatal à natalidade indígena (como acontece, por exemplo, na Hungria de Viktor Orbán) — porque o que a plutocracia globalista defende é a substituição populacional nos países europeus (carpe Diem!: fica mais barato contratar a pretalhada do que subsidiar a natalidade; ¿e o futuro? que se foda!).

Naturalmente que, sendo ele guei, o Paulo Portas (à semelhança do inglês Douglas Murray) é avesso à imigração islâmica — não vá ele ser defenestrado em nome de Maomé; mas, como bom globalista, o Paulo Portas continua a querer enganar o povo português ao afirmar que uma cultura antropológica é passível de ser mudada com uma varinha de condão política, ou com uma mera moderação do discurso religioso — como se o que está escrito no Alcorão e nos Hadith não existisse; como se os muçulmanos não soubessem ler; e como se a epigenética cultural não fosse uma realidade independentemente da preponderância das convicções religiosas individuais.

Escolher uma mulher para liderar a União Europeia foi um erro que pagaremos muito caro

É óbvio que uma regra (normalmente) tem excepções, e por isso é que é uma regra; e é comummente aceite (como regra ou juízo universal) que as mulheres são mais eficientes na gestão das políticas locais (nas autarquias), mas muito menos eficazes na condução de políticas a nível superior da governança.

von-der-leyen-web

Depois de ter tido um alcoólico inveterado a dirigir a União Europeia, as elites políticas globalistas — que mandam nos Estados da Europa — escolheram uma mulher para presidente do leviatão europeu.

sultao-turco-web

A posição da União Europeia em relação à declarada hostilidade da Turquia em relação à Europa, é de uma clara submissão política em relação a um ditador islamita ; faz lembrar a submissão canina do primeiro-ministro inglês Chamberlain em relação a Hitler.