A escatologia do Anselmo Borges, ou a revolução antropocêntrica do papa gnóstico

perspectivas

Há, no discurso do Anselmo Borges, algo de “escatológico” — entendido no sentido biológico. É um discurso bio-degradado; mas é também “escatológico” no sentido metafísico: um discurso característico dos fins-dos-tempos.

Se juntarmos a excrescência humana do “dogma antidogmático” — quem silenciosamente repudia os dogmas da Igreja Católica (como é o caso do Chico e dos seus sequazes), tem que escolher entre indiferentismo e hierarquia; e é esta a verdadeira “tensão” dos gnósticos que comandam a actual Igreja Católica, que o Anselmo Borges escamoteia — , por um lado, à crença metafísica da centralidade do Homem no universo (o antropocentrismo do papa Chicozinho) , por outro lado, obtermos a escatologia do Anselmo Borges.

Dizia Aristóteles que quando partimos de princípios errados, toda a nossa teoria está errada. É o caso do Anselmo Borges:

« A Igreja tem dentro dela, inevitavelmente, uma tensão que a conduz a um paradoxo

View original post mais 630 palavras

Anúncios

A acção política necessária contra a aliança entre a maçonaria e a plutocracia globalista

perspectivas

O Padre Gonçalo Portocarrero de Almada escreveu um texto em que demonstrou (utilizando a lógica informal) como os pressupostos da legalização da eutanásia (que é defendida pela “elite” portuguesa, a “ruling class”) são baseados em mentiras.

“A eutanásia é uma licença para matar os que desejam morrer e os que não podem manifestar a sua vontade: é uma prepotência de um Estado totalitário.”Vincent Lambert e as 5 mentiras da eutanásia

Porém, a verdade é que existe um “alinhamento” ideológico entre a elite globalista mundial que pretende dispôr do mundo a seu bel-prazer, por um lado, e a “elite” portuguesa, por outro lado. Por outras palavras, a ruling class portuguesa é “pau-mandado” dos globalistas que pretendem a sinificação (mais ou menos acelerada) das diversas regiões do planeta.

eutanasia-de-vincent-lambert-web

Esse “alinhamento ideológico” foi interrompido pela ascensão de Donald Trump à presidência dos Estados Unidos — o que tem causado…

View original post mais 317 palavras

O cabritinho assado do António Costa

Durante algum tempo, entre 1989 e 1993, eu ia amiúde comer um “cabritinho” assado ao restaurante D. Fernando, perto do aeroporto do Porto. O “cabritinho” é um cabrito de leite, praticamente acabado de nascer, e que por isso tem uma carne muito tenra e saborosa.

cabritinho-web

Porém, acontece que o cabritinho assado no restaurante D. Fernando era bastante caro para aquela época. Lembro-me de que, já nos idos de 1990, uma dose do cabritinho assado rondaria os 25 Euros (5 mil escudos por pessoa).

Ora, não era eu que pagava a conta: fui sempre convidado de uma empresa privada — e entre negócios entre pessoas privadas, o Estado não tem que se meter.

Acontece que, talvez por muitas coincidências, era normal eu ver o socialista António Costa, acabado de chegar de Lisboa de avião, a comer o cabritinho da praxe no D. Fernando — a expensas do Estado português, por intermédio das despesas do Partido Socialista.

Que o António Costa coma o seu cabritinho assado à sua (dele) custa ou dos seus amigos (privados), o problema seria dele; mas que ande a comer cabritinho à custa dos impostos de todos os portugueses, bardamerda para o Costa !

Com “liberais” como o Pedro Picoito, ¿para que precisamos da Catarina Martins?!


Durante as décadas de 1960 e 1970, o cidadão português (emigrante) era conhecido genericamente na Europa do norte por “ladrão de bicicletas” (principalmente na Holanda, Bélgica e França).

ladrao-de-bicicleta-webHoje, já ninguém na Europa utiliza este epíteto em relação ao português imigrante — não só porque a cultura do português médio mudou (hoje, o tuga já não rouba bicicletas), mas também porque o tuga médio já não anda de bicicleta (prefere o automóvel).

¿O epíteto de “ladrão de bicicletas”, quando aplicado ao tuga naquelas duas décadas, tinha alguma razão de ser? Claro que sim! Quando saía uma notícia no jornal sobre um roubo de uma bicicleta, em grande parte dos casos vinha-se a descobrir que o ladrão era um imigrante português.

Se o Pedro Picoito fosse um adulto durante aquelas duas décadas, escreveria certamente o seguinte:

« Trata-se de um argumento falacioso e pouco liberal. É a generalização sobre os imigrantes portugueses, que a leva a cair na velha armadilha ideológica do determinismo. Dizer que os “portugueses são ladrões de bicicletas” não é apenas uma caricatura de mau gosto. É condenar à suspeita todos os portugueses que procuram integrar-se na sociedade da Europa do norte, apesar dos obstáculos que enfrentam, apesar dos preconceitos de que são alvo. É negar a individualidade a um número vasto de pessoas em nome da sua origem étnica ou cultural. É, em suma, desprezar a meritocracia e a igualdade. »

Porém, a verdade é que uma grande parte dos casos de roubos de bicicletas (por exemplo, na Bélgica) era (naquela época, e a julgar pelas notícias dos jornais) empiricamente (experiência) associado a imigrantes portugueses.

Ora, é esta verdade empírica acerca dos factos sociológicos e culturais (que são sempre circunstanciais e circunscritos a um determinado Zeitgeist) que o politicamente correcto (ou Pedro Picoito, o que vai dar no mesmo) pretende esconder ou escamotear.

O facto (verificado) de terem existido muitos Tugas “ladrões de bicicletas”, na Bélgica e nas décadas de 1960 e 1970, não significa necessariamente que tenha existido, em relação aos Tugas, “a velha armadilha ideológica do determinismo”. O que existiu, na Bélgica (por exemplo), foi a estigmatização do comportamento de roubo de bicicletas, e que por causa do alto nível de incidências calhou maioritariamente aos Tugas que roubavam bicicletas.

Ora, parece que tanto o Bloco de Esquerda como o Pedro Picoito não concordam com a estigmatização de um determinado comportamento socialmente indesejável ditado por uma qualquer cultura antropológica.

Neste aspecto (no politicamente correcto), o Pedro Picoito e a Catarina Martins estão de acordo. É neste sentido que se diz por aí que  “os liberais portugueses são a ‘Direitinha’ educadinha” (andam a “toque de caixa” da Esquerda radical).


Ler o texto do Pedro Picoito (também em PDF aqui).


Uma das características do discurso do Pedro Picoito (e do politicamente correcto, e da Esquerda em geral) é a perda na noção cultural de “juízo universal ”.

Até há pouco tempo, a noção de “juízo universal” pertencia ao senso comum.

Por exemplo quando eu digo hoje que os homens correm mais rápido do que as mulheres”, aparece sempre um Pedro Picoito qualquer a dizer que “você está errado, porque eu conheço uma mulher que corre mais rápido do que homens!”.

Hoje, o nominalismo radical instalou-se na cultura da “elite”, e de tal forma que o juízo universal deixou de pertencer ao senso comum. Hoje, a “elite” tende a ser a-científica.

Estamos perante a estupidificação da cultura (o “imbecil colectivo”) realizada em nome de um certo elitismo cultural e intelectual.

Portanto, o argumento do Pedro Picoito da “velha armadilha ideológica do determinismo”, é falacioso; não cola.

O “determinismo” só existe (no caso da estigmatização de um comportamento indesejável) enquanto um determinado comportamento associado empiricamente a uma certa cultura é prevalecente e/ou notório: mas trata-se de um “determinismo provisório”, e portanto, não é um “determinismo” propriamente dito.

Podemos verificar, através do texto do Pedro Picoito, como existe um continuum consensual entre a mentalidade e mundividência do referido “liberal”, por um lado, e a mentalidade e a mundividência da Catarina Martins ou do Francisco Louçã, por outro lado.

Com “liberais” destes, ¿para que precisamos da Catarina Martins?!

A ignorância academista e elitista da Raquel Varela

O fenómeno “Donald Trump” deve-se à revolta da classe média americana (que é maioritariamente de origem europeia, mas que poderia ser de outra etnia qualquer), que tem vindo a perder poder de compra pelo menos desde o consulado do Bush filho; mas o fenómeno não é só económico, como é evidente: também é uma revolta cultural contra uma elite política americana manifestamente decadente do ponto de vista ético-civilizacional (só não vê quem não quer ver).

Há uma grande diferença entre uma classe média que, por razões culturais e históricas (entre elas, a tradição), defende (através do voto) um determinado status quo político burguês, por um lado, e, por outro lado, o surgimento de “uma linha de uma burguesia, com epicentro nos EUA, mais proteccionista, nacionalista” (como escreveu a Raquel Varela).

A Raquel Varela parte de preconceitos negativos, e não de uma qualquer racionalidade de análise. E confunde “racionalidade” e “racionalismo ”.


raque-varela-wc-webA Esquerda neomarxista (por exemplo, a Raquel Varela ou o José Pacheco Pereira) e a “Direitinha” liberal (por exemplo, os do Insurgente) parecem não compreender (ou fazem de conta que não compreendem) que a liberdade de comércio tem que ser biunívoca (tem dois sentidos): não faz qualquer sentido que uns países usufruam da liberdade de comércio na relação com outros países, e que a estes outros países não seja permitido esse mesmo usufruto.

Por exemplo, a União Europeia teve sempre uma política de comércio proteccionista em relação aos Estados Unidos (e a China também); e é este facto (o do proteccionismo da União Europeia e da China em relação aos Estados Unidos) que a Esquerda neomarxista e a “Direitinha” liberal escamoteiam sistematicamente para assim poderem acusar o Donald Trump de “proteccionismo”. Trata-se da falácia Tu Quoque.

A Raquel Varela mostra uma ignorância escandalosa, quando diz que “o pensamento científico é totalmente avesso à generalização” (ver ficheiro PDF do texto da Raquel Varela).

Alguém terá que explicar à Raquel Varela o que é a “indução” e a importância que a indução tem no pensamento e no método científicos. “O rei vai nu” (e eu estupefacto).


A Raquel Varela diz que “o Donald Trump é de extrema-direita”. ¿Mas por que razão o Donald Trump é de “extrema-direita”?! — pergunto eu. “Porque sim!” — responde (tacitamente) a Raquel Varela. É isto a que a Raquel Varela chama de “racionalismo”.


De resto, a Raquel Varela incorre no mesmo tipo de pensamento utópico dos incipientes marxistas militantes do século XIX e do princípio do século XX, que acreditavam que as classes operárias dos diferentes países europeus se revoltariam contra as respectivas burguesias nacionais, e que (por isso) fariam a “revolução global”o que não aconteceu (a classe operária nacional defende, em primeiro lugar e antes de tudo, a sua nação — como se verificou historicamente); e esta previsão ideológica falhada (a da “revolução global”) conduziu não só ao nacionalismo soviético (Estaline), mas deu sobretudo origem aos “revisionistas” da espécie de Lukacs ou Gramsci, e aos sequazes da Escola de Frankfurt (marxismo cultural).

O que é espantoso na Raquel Varela é que, por um lado, ela defende aquilo a que ela chama de “pleno emprego” (que faz parte do legado ideológico estalinista), mas, por outro lado, ela diz ser contra o estalinismo. Ou seja, ela é contra o estalinismo às segundas, quartas e sextas, e a favor do estalinismo às terças, quintas e sábados (e aos domingos está de folga).

O conceito de “pleno emprego” é complexo — porque teríamos que saber, em primeiro lugar, o que significa “emprego” (ou o que significa “trabalho”). Em uma visão não-utilitarista da sociedade, que é perfeitamente legítima, o conceito de “utilidade” não condiciona o conceito de “justiça” — mas é exactamente o movimento político que procura a aplicação deste princípio da independência da justiça em relação ao utilitarismo, que a Raquel Varela diaboliza chamando-o de “extrema-direita”.


O problema que se coloca é o de que não é possível a democracia (dita “burguesa”, segundo os marxistas, como por exemplo a Raquel Varela) sem a existência PRÉVIA do Estado-Nação.

É isto que incomoda a mente revolucionária da Raquel Varela, por um lado, e por outro lado “chateia” os sequazes do federalismo da União Europeia (como, por exemplo, o Rangel do PSD): não existindo (como não existe, de facto) uma “nação europeia”, não é possível uma “democracia na Europa” (como, por exemplo, defende o “fassista” Nigel Farage).

A Raquel Varela acredita que é necessária a imposição de um totalitarismo à escala global para contrariar a Natureza Humana (porque ela sente-se superior ao comum dos mortais). É esse o totalitarismo dos “progressistas que exigem a solidariedade real (material) entre os povos”, e, por isso, é um totalitarismo “bom” (Assim Falava Zaratustra).

O conceito de “internacionalismo”, segundo os neomarxistas como a Raquel Varela, abrange esse totalitarismo “bom” à escala global, mas que difere substancialmente do conceito “liberal-fascista” (defendido pelos liberais plutocratas e esquerdistas dos Estados Unidos) de “sinificação” (a China como modelo de organização política regional).

O conceito de “internacionalismo”, segundo a Raquel Varela, parece ser um conceito trotskista actualizado — o conceito de Trotski que a experiência comprovou não ser passível de aplicação prática. Eu comparo o “internacionalismo” de Trotski com o Distributismo de G. K. Chesterton: são conceitos bonitos, mas que não se aplicam (de forma geral) à prática humana.


A “análise” da Raquel Varela, acerca da origem da Política Identitária nos Estados Unidos, está errada.

« Com a OCDE e a UE a reconhecem a “crise demográfica”, necessidade de mais trabalho qualificado, surge toda a questão de género e quotas para entrarem mais contingentes de força de trabalho assalariada, impedindo a escassez que iria dar necessariamente aumento do preço da força de trabalho, e dos salários. É aqui que nasce, a partir dos EUA, a forma das políticas identitárias de esquerda. »

Fico de boca aberta perante este tipo de “análise” vinda da parte de uma “cientista social”. A Raquel Varela insulta o conceito de “análise”. Basta irmos à Wikipédia para verificarmos que a Raquel Varela deturpa as causas e o nexo ideológicos da Política Identitária.


O que a Raquel Varela pretende, com aquele relambório, é tentar imprimir um nexo racional ao irracionalismo típico da Esquerda; o que ela pretende é salvar a sua (dela) própria identidade que a Razão coloca em causa.

E, por isso, ela diz que “aquela Esquerda (a que existe) não é a verdadeira Esquerda” (trata-se de uma espécie de falácia lógica do Verdadeiro Escocês), assim como “as revoluções marxistas que mataram milhões de pessoas não foram Verdadeiras Revoluções”. Estamos perante um delírio interpretativo.


Quando os japoneses não aceitam a imigração (não existe imigração no Japão!), a Raquel Varela não nos vem falar do “homem amarelo a resgatar no xintoísmo a pureza das sociedades imperiais esquecidas” — porque o japonês não é “homem branco”.

A defesa da nação  e dos seus símbolos  é, para a Raquel Varela, de “extrema-direita” e “racista” — por um lado, a Raquel Varela é contra a “Esquerda dos Estados Unidos” que adoptou a Política Identitária, mas, por outro lado, concorda com as teses “anti-nação” da Política Identitária da Esquerda dos Estados Unidos.

Quando (por exemplo) os japoneses não aceitam a imigração (não existe imigração no Japão), a Raquel Varela não nos vem falar do “homem amarelo a resgatar no xintoísmo a pureza das sociedades imperiais esquecidas” — porque o japonês não é “homem branco”.

O problema da Raquel Varela, assim como os sequazes do marxismo cultural, é o “homem branco”. “Só o homem branco é racista”, dizem eles — até o japonês que é anti-imigração é uma vítima do “homem branco”.

Ou seja, a Raquel Varela segue a ideologia da Política Identitária (que, simplificando, tem origem na Escola de Frankfurt e na teoria da tolerância repressiva de Marcuse) ao mesmo tempo que a critica (“mais depressa apanhamos uma mentirosa do que um coxo”).

A Raquel Varela é uma coisa e o seu contrário — e tudo isto (alegadamente) em nome do racionalismo.


A ‘humanidade’ não existe sociologicamente, não existe perante a civilização.

Considerar a humanidade como um todo é, virtualmente, considerá-la como nação; mas uma nação que deixe de ser nação passa a ser absolutamente o seu próprio meio. Ora um corpo que passa a ser absolutamente do meio onde vive é um corpo morto.

A morte é isso — a absoluta entrega de si próprio ao exterior, a absoluta absorção no que o cerca. Por isso, o humanitarismo e o internacionalismo são conceitos de morte, só cérebros saudosos do inorgânico o podem agradavelmente conceber.

Todo o internacionalista deveria ser fuzilado para que obtenha o que quer: a integração verdadeira no meio a que tende a pertencer. Só existem nações, não existe humanidade.”

→ Fernando Pessoa