A lógica absurda do José Pacheco Pereira

“As matanças democráticas pertencem à lógica do sistema; e as antigas matanças ao ilogismo do Homem”

— Nicolás Gómez Dávila


politicamente-correcto-grafico-300-webO José Pacheco Pereira é de opinião de que, se a eutanásia existe “escondida”, então é hipocrisia não a legalizar. É a lógica da estupidificação do espírito e da terraplanagem do Direito.

«Qualquer pessoa que conheça a realidade dos hospitais e de doentes com médicos que são seus amigos sabe que há muito mais eutanásia escondida do que se imagina».

A “lógica” do Pacheco pode também ser aplicada ao tráfico de drogas pesadas: “se o tráfico existe, então o comércio de heroína deve ser legalizado”. É o Pacheco do PSD a concordar sistemicamente com o Bloco de Esquerda; é a mesma “lógica” que presidiu à legalização do aborto: “se o aborto existe, então tem que ser legalizado”; é a adequação jurídica da norma ao facto isolado; é o fim do Direito abstracto e geral.

E, seguindo a mesma “lógica”, não vejo por que razão o infanticídio não possa ser legalizado, uma vez que, em Portugal, a mulher que mata o filho nascido já não apanha pena de prisão superior a três anos (salvo em caso de reincidência).

Esta gentalha serve-se de tudo para justificar a “lógica” da defesa do absurdo.


«LIBERTÉ, égalité, fraternité.

O programa democrático cumpre-se em três etapas: 1/ etapa liberal, que fundou a sociedade burguesa, sobre cuja índole nos remetemos aos socialistas; 2/ etapa igualitária, que funda a sociedade soviética, sobre cuja índole nos remetemos à nova esquerda; 3/ etapa fraternal, que é o prelúdio dos alienados que copulam em amontoados colectivos.»

→ Nicolás Gómez Dávila

O anacronismo actual do cuidado hospitalar, segundo o juramento de Hipócrates

A foto abaixo foi tirada em 1959 em um hospital público inglês; vemos, nela, um grupo de enfermeiras rezando, antes de iniciar o seu turno de trabalho.

enfermeiras-rezando-q1959-web

Esta foto é hoje um anacronismo — em um tempo em que (em alguns países) o Estado já pede ao pessoal hospitalar que mate os doentes.

Aliás, o acto de oração, retratado na foto, é (hoje) ilegal; é uma blasfémia contra o Zeitgeist: uma enfermeira que reze em serviço pode ser sujeita a processo disciplinar, porque, alegadamente, é um exemplo de “ódio” que pode ser participado às autoridades.

Em apenas 60 anos, a realidade reflectida naquela foto parece nunca ter existido; e para a dissipação daquela realidade contribuíram também os mentores católicos do concílio do Vaticano II, e os “teólogos” da estirpe do Anselmo Borges — os mesmos que vêm agora hipocritamente carpir contra a legalização da eutanásia patrocinada pelo Estado.

O Benfica agradece ao Marega e ao “efeito Joacine”

1/ Na época 2016/17, o Marega foi jogador do Vitória de Guimarães; durante um determinado jogo do Vitória, um grupo de espectadores— vou repetir: um grupo — berrou repetidamente “Marega vai pró caralh*”. Acto contínuo, o Marega intempestivamente saiu do campo de jogo, deixando a sua própria equipa a jogar com menos um jogador. O Marega borrifou-se para a sua equipa: o que interessou ao Marega foi contrariar esse grupo de adeptos, e afirmar publicamente que não estava disponível para ir “pró caralh*”.

O Marega é isto. O Marega tem um ego do tamanho do universo e uma inteligência de galinha.

2/ Eu vi o jogo de ontem (entre o Vitória e o FCP) pela televisão e não me apercebi de quaisquer invectivas racistas, vindas do público, contra Marega.

3/ Os 2 (dois) comentadores da SPORT TV1, que estavam no campo de jogo, também não se aperceberam de quaisquer insultos racistas vindos das bancadas, dirigidos ao Marega.

4/ O treinador do Vitória não se apercebeu de qualquer insulto racista contra Marega. Não tenho razões objectivas para duvidar da palavra dele.

5/ Não quero dizer com isto que não tenham existido insultos racistas contra Marega; o que eu coloco racionalmente em causa é a dimensão do problema criado pela interacção desse pequeno grupo de adeptos, por um lado, e Marega, por outro lado; e esse problema foi alimentado pelos me®dia. O Marega sabia bem o que estava a fazer.

Provavelmente terá sido um grupelho de 30 a 50 adeptos do Vitória a insultar Marega; e este pequeno incidente foi transformado, pelos me®dia, controlados pela extrema-esquerda (por exemplo, pelo radical emasculado Miguel Guedes, na TVI24), em uma espécie de desastre nacional.
De repente, “Portugal é um país profundamente racista” (como afirmou o Pedro Marques Lopes; excepto ele, obviamente: ele parece não ser português).

6/ Graças ao Marega e ao seu incomensurável ego e cérebro de galináceo, os me®dia falaram mais do “racismo de todos os portugueses” do que da vitória do FC Porto. Veio mesmo a calhar aos me®dia lisboeiros. O Benfica agradece ao Marega e à Joacine “Vai-te Katar” Moreira. Talvez tenha chegado o momento de mandar o Marega “pró Benfica”.


Nota: eu sou sócio do FC Porto.


Adenda: a cultura de vitimização, adoptada pelas “elites”

O teórico esloveno Slavoj Žižek contou uma anedota que caracteriza bem a Esquerda actual.

Numa sinagoga, o rabino rasga as vestes, gritando:

“Ó Javé, eu sou um pecador e não mereço a tua misericórdia!”.

E um judeu rico, chamado ao púlpito, secundou o rabino:

“Ó Javé, não tenhas pena de mim e castiga-me, porque sou um pecador!”.

E um judeu pobre, andrajoso, tartamudeou na plateia:

— “Ó Javé, ajudai-nos que somos todos pecadores!”

E diz o judeu rico para o rabino, apontando para o judeu pobre:

— ¿Quem é que essa criatura pensa que é?!!!

A ligação entre “processo de promulgação”, por um lado, e a "Vontade Geral", por outro lado

A Helena Matos denuncia aqui o (actual) problema da degenerescência do Estado parlamentar em Portugal: por via do “processo legislativo”, o legislador pode fazer absolutamente tudo o que quiser; e, ainda assim, continua a chamar “Direito” ao conjunto de “processos legislativos” que ilegitimamente manipula.


O princípio de “discussão pública” das leis é, em consequência, totalmente substituído pelo princípio asséptico e antidemocrático de “Vontade Geral“, segundo Rousseau.

A partir do momento em que todos os problemas económicos e sociais se tornam “estatais”, o Estado passa a gerir burocraticamente os diferentes interesses sociais; surge então o Estado administrativo, em substituição do Estado parlamentar; e quem controla o novo Estado administrativo são os dignitários da “Vontade Geral“.

No contexto da “democracia de massa” e com a emergência do Estado administrativo (em substituição do Estado parlamentar), a lei perde a sua dimensão geral e abstracta [Carl Schmitt, “Legalidade e Legitimidade”, 1932] — o legislador passa a adequar sistematicamente a norma jurídica ao facto isolado, transformando o Direito em um amontoado de contradições intrínsecas e num exercício político de arbítrio discricionário, ou mesmo em uma prática de actos gratuitos por parte da elite legisladora.

A discussão pública das leis é substituída por uma negociação oculta nos bastidores do parlamento, dominados por várias coligações e grupos de interesse — “parece que o Estado moderno se tornou naquilo a que Max Weber vê nele: uma grande empresa” [idem].

Estamos a entrar por um caminho muito perigoso. O problema é o de que, depois de embrenhados por esse caminho, só poderemos sair dele por intermédio da violência e da dissolução do Estado parlamentar.

Eu concordo com a posição do Partido Comunista acerca da legalização da eutanásia

Desde logo, concordo com o termo “provocação da morte antecipada”, em vez de “eutanásia”: o termo “morte antecipada” é mais abrangente do que “eutanásia”. E, com todo o texto, concordo a 100 porcento (ler em ficheiro PDF).

O Partido Comunista põe a nu (no referido texto) o ideário político da legalização da provocação da morte antecipada : esse ideário faz parte da agenda política da plutocracia globalista (com origem nos Estados Unidos), a que obedecem caninamente os seus serviçais e caciques portugueses do Bloco de Esquerda, do Partido Socialista e do Partido Social Democrata.

Patricia MacCormackÉ nesse contexto ideológico, patrocinado pela plutocracia globalista, que verificamos (por exemplo) casos como o de Patricia MacCormack (na imagem), professora na universidade de Cambridge (pasme-se!), que lançou um livro com o título “The Ahuman Manifesto” (“O Manifesto Inumano”) — em que a dita “professora universitária” de Cambridge defende que se acabe com a espécie humana, para “salvar o planeta” — o que é um absurdo total!: se não existirem seres humanos para desfrutar da vida no planeta, qual é o sentido de “salvar” o planeta?!
Ao longo da História, verificámos que as famílias numerosas sempre assustaram os poderosos…

Os professores universitários actuais são cada vez mais assim…

Gente como Patricia MacCormack é alcandorada a posições de docência nas universidades ocidentais porque é subsidiada (através dos seus caciques locais) pelos globalistas dos países anglo-saxónicos. É esta a nova “elite” patrocinada pelo globalismo.

A legalização da provocação da morte antecipada faz parte de uma agenda política tenebrosa, diria mesmo, neofascista. Neste aspecto, o Bloco de Esquerda, o Partido Socialista e o Partido Social Democrata colaboram com essa agenda política neofascista globalista.

Ademais, a legalização da provocação da morte antecipada é inconstitucional, porque atenta contra o princípio da igualdade inscrito na Constituição; como se pode ler no texto:

«O princípio da igualdade implica que a todos seja reconhecida a mesma dignidade social, não sendo legítima a interpretação de que uma pessoa “com lesão definitiva ou doença incurável” ou “em sofrimento extremo” seja afectada por tal circunstância na dignidade da sua vida.»

O Domingos Faria, o sofista

pass-auf-ao-burro-webO Domingos Faria agarra-se a dois autores de tradição cultural britânica, e tira deles a ilação segundo a qual “quer se seja consequencialista quer se seja deontológico, não parece haver bons obstáculos morais para a eutanásia”.

E depois ele cita o “teólogo” Hans Küng para dizer que até mesmo o Cristianismo pode defender a legalização eutanásia — só lhe falta dizer que o Anselmo Borges, que defendeu a legalização do aborto, também é “teólogo”; e que, por isso, também é possível ao Cristianismo defender o aborto.

Ver o texto dele aqui.


A filosofia é entendida pelo Domingos Faria como os sofistas a entendiam no tempo de Sócrates: a filosofia é reduzida à capacidade de retórica, e não existe uma verdade objectiva intrínseca à Realidade.

utilitarismo-web

Ademais, o Domingos Faria (tal como a Isabel Moreira, por exemplo) acredita que é possível que a lei portuguesa da eutanásia seja melhor do a que lei belga, holandesa, ou canadiana — talvez porque ele pense que os legisladores portugueses pertençam a uma casta superior.

Porém, e mesmo que a lei “perfeita” da eutanásia não seja cumprida num ou noutro caso, serão esses casos os danos colaterais característicos do utilitarismo que o Domingos Faria defende.

E quem não pertença ao “maior número”, que se foda!


«HOY, el anciano es tan inútil como el animal viejo. Donde no hay alma que los años tal vez ennoblezcan, sólo queda un cuerpo fatalmente envilecido.» — Nicolás Gómez Dávila

A legalização da eutanásia: a irracionalidade volta a estar na moda

Eu penso que a Manuela Ferreira Leite é socialista; aliás, o PEC (Pagamento Especial por Conta) foi uma das pérolas instituídas pela Manuela Ferreira Leite quando foi Ministra das Finanças do primeiro-ministro Durão Barroso (salvo erro). Ora, o PEC arrebentou sistematicamente com as pequenas empresas ao longo de quase duas décadas.

Porém, em questões de ética, Manuela Ferreira Leite não é de Esquerda; ou melhor dizendo: não é da Esquerda utilitarista — como por exemplo o Bloco de Esquerda, o Partido Socialista, o PAN (Pessoas-Animais-Natureza) ou o LIVRE.

Podemos ver aqui uma entrevista da Manuela Ferreira Leite à TVI acerca da legalização da eutanásia.


Em termos gerais, concordo com o que o João Távora escreveu aqui:

“A lógica da eutanásia (…) está directamente ligada à atomização da sociedade e ao desaparecimento progressivo das antigas comunidades de proximidade, nomeadamente a família alargada, coesa e solidária.”

over-55-holanda-web

Porém, a “lógica da eutanásia” (se é que existe uma “lógica” subjacente à eutanásia que não seja a negação da própria Lógica) vai para além da anomia:

1/ em nome da promoção de uma putativa “liberdade individual”, os ditos “libertários” fortalecem o poder de vida e de morte em relação aos cidadãos, por parte do Estado — o que é uma contradição em termos.

Em boa verdade, a promoção da “liberdade individual” não passa certamente pela promoção do aumento do Poder do Estado sobre a vida e morte das pessoas — leia-se, pela promoção de uma cultura da eutanásia em hospitais do Estado.

2/ o marxismo cultural (ou o politicamente correcto actual) — ou seja, Bloco de Esquerda, LIVRE, PAN (Pessoas-Animais-Natureza), e parte do Partido Socialista e do PSD — é uma utopia negativa, porque se concentra na crítica dissolvente da nossa sociedade real.

A crítica feroz em relação à nossa sociedade, por parte do actual politicamente correcto — Bloco de Esquerda, PAN (Pessoas-Animais-Natureza), LIVRE, Partido Socialista e parte do PSD — , é negativa porque não possui conceitos capazes de superar a distância entre o presente e o futuro: quaisquer que sejam as possibilidades reais que a nossa sociedade actual apresente em relação ao futuro, o marxismo cultural (principalmente o Bloco de Esquerda) não nos revela quais são essas possibilidades, limitando-se a negar o sistema em que se baseia a nossa sociedade actual, e na sua totalidade. É uma agenda política totalitária.

Ou seja, a legalização da eutanásia faz parte de uma agenda política de acção destrutiva (aparentemente, sem pensar nas consequências) em relação ao sistema em que se baseia a nossa sociedade actual. É uma “política de picareta”. O que interessa (ao politicamente correcto) é destruir a cultura vigente (Gramsci).

“¿E quais as consequências da destruição da cultura antropológica actual? Bem… logo se verá!”

Para o Bloco de Esquerda, todos os meios (literalmente “todos”) são legítimos para destruir a cultura antropológica actual; trata-se da defesa do desmantelamento da Razão. A irracionalidade volta a estar na moda.

pilula-da-morte-web