A vida humana, enquanto fenómeno biológico, não pode estar sujeita a interpretações filosóficas por parte dos médicos

Temos aqui um texto no Observador assinado por uma menina de seu nome Mar Mateus da Costa — se ela fosse estrábica, seria Marissol: teria um olho no Mar e o outro no Sol; mas o estrabismo da Mar é ideológico: através da ambiguidade e da ambivalência no que diz respeito à eutanásia, a Mar acaba por ceder à permissividade em relação ao irracional. Ela não é Marissol de nome, mas é uma Marissol mental.

Tem-se feito tudo para se justificar a irracionalidade da eutanásia patrocinada e perpetrada pelo Estado, ao mesmo tempo que se iliba o Estado de responsabilidades nos cuidados paliativos.

Há um trecho do texto da Marissol que salta à vista:

«A Constituição atesta a inviolabilidade da vida humana, pelo que a Assembleia da República, ao aprovar os projectos-de-lei dos demais partidos, separou claramente o conceito de vida humana do conceito de meramente estar vivo. Se aceitarmos esta separação, somos também forçados a aceitá-la na formulação de Genebra. Quer então isto dizer, por hipótese, que se um médico não se declarar objector de consciência, não estará a violar o juramento que fez no início de carreira. Naturalmente, caso se declare o problema não se aplica.»


medico-sns-webPara a ciência, ou melhor dizendo, para a biologia, não é possível separar o conceito de “vida humana” do conceito de “meramente estar vivo”. A biologia não é filosofia. Quando os médicos substituírem a biologia pela filosofia, estaremos todos fodidos.


Quando vemos a Marissol (que é uma estudante de medicina) a aceitar como válida (no texto) a distinção entre “vida humana”, por um lado, e “o ser meramente vivente”, por outro lado — que é uma distinção irracional feita por Peter Singer e, antes deste, por Heidegger e pelos nazis —, percebemos a dimensão enorme do problema que a nossa sociedade tem hoje.

O “filósofo” Peter Singer separou o o conceito de “vida humana”, por um lado, do conceito de “meramente estar vivo”, por outro lado — para assim justificar a eutanásia utilitarista de pessoas desprovidas de consciência. Mas quando a mãe dele entrou em uma fase adiantada de Alzheimer, Peter Singer contratou uma enfermeira permanente para cuidar da mãe dele — ou seja, pimenta no cu dos outros é chupa-chupa: podemos eutanasiar as mães dos outros, mas não a nossa.

Nada disto é novo — ou, como dizia Fernando Pessoa: em vez disso, é “a velhice do eterno novo”. A Marissol escreve que a legalização da eutanásia pelo Estado acontece “pela primeira vez”, o que não é verdade. Se a Marissol quiser tergiversar sobre filosofia, então que estude a História das ideias.

Para além de Nietzsche, sobretudo Heidegger sustentou ideologicamente o programa nazi da eutanásia “voluntária” em massa — a base ideológica de Heidegger é (grosso modo) a seguinte:

O Homem vive no futuro que é a sua morte (“Sein zum Tode”). E, ainda segundo Heidegger, o ser humano sente a “angústia” da sua morte futura e por isso transforma-se em uma espécie de “dejecto” (“Verfallen” ≡ dejecção) — ou seja, a angústia em relação à morte futura transforma o ser humano em um merdas, num ser humano inferior, em um “Untermenschen” (em uma espécie de judeu).

Em consequência, o ser humano superior (o nazi) ignora a morte (não tem medo da morte, porque é uma espécie de deus), faz de conta que a morte não existe (“transcende a morte”, não por via da tradição transcendente do sobrenatural cristão, mas antes pela via da transcendência revolucionária do super-homem prometaico). “Ignorar a morte”, para Heidegger e para a ideologia nazi, significa eliminar a angústia da morte na cultura antropológica, o que vai contra a própria Natureza Humana.

A partir do momento em que a Natureza Humana é radicalmente contrariada por uma qualquer ideologia (por exemplo, o actual materialismo prometaico), chegámos à “morte anónima” da pessoa, ou seja, a morte que é ocultada na sociedade, para não se contrariar a imagem politicamente correcta que é a do herói que despreza e/ou ignora a morte. Eric Voegelin falou nisto em um livrinho com o título “Religiões Políticas”.

Finalmente, um recado para a Marissol: o conceito de “pessoa humana” é redundante (é um pleonasmo): não há pessoas que não sejam humanas, nem humanos que não sejam pessoas.

Por causa de mentes distorcidas como a da Marissol é que hoje existe a validação política do conceito de “pessoas não-humanas” (herança ideológica de Nietzsche, de Heidegger e do nazismo). E esta gente escreve do Observador.

O Domingos Faria, o sofista

pass-auf-ao-burro-webO Domingos Faria agarra-se a dois autores de tradição cultural britânica, e tira deles a ilação segundo a qual “quer se seja consequencialista quer se seja deontológico, não parece haver bons obstáculos morais para a eutanásia”.

E depois ele cita o “teólogo” Hans Küng para dizer que até mesmo o Cristianismo pode defender a legalização eutanásia — só lhe falta dizer que o Anselmo Borges, que defendeu a legalização do aborto, também é “teólogo”; e que, por isso, também é possível ao Cristianismo defender o aborto.

Ver o texto dele aqui.


A filosofia é entendida pelo Domingos Faria como os sofistas a entendiam no tempo de Sócrates: a filosofia é reduzida à capacidade de retórica, e não existe uma verdade objectiva intrínseca à Realidade.

utilitarismo-web

Ademais, o Domingos Faria (tal como a Isabel Moreira, por exemplo) acredita que é possível que a lei portuguesa da eutanásia seja melhor do a que lei belga, holandesa, ou canadiana — talvez porque ele pense que os legisladores portugueses pertençam a uma casta superior.

Porém, e mesmo que a lei “perfeita” da eutanásia não seja cumprida num ou noutro caso, serão esses casos os danos colaterais característicos do utilitarismo que o Domingos Faria defende.

E quem não pertença ao “maior número”, que se foda!


«HOY, el anciano es tan inútil como el animal viejo. Donde no hay alma que los años tal vez ennoblezcan, sólo queda un cuerpo fatalmente envilecido.» — Nicolás Gómez Dávila

O Partido Comunista é o único partido da Esquerda que (ainda) não é utilitarista

«Lucas Pires argumenta que a “eutanásia é uma visão utilitária da vida” e esquerda “devia ser contra”, tal como é contra o consumismo noutras áreas.»

“Eutanásia é uma visão utilitária da vida” e esquerda “devia ser contra”


O Jacinto Lucas Pires está equivocado: nem toda a Esquerda tem uma “visão utilitária da vida”.

O único partido da Esquerda que (ainda) não é utilitarista é o Partido Comunista; aliás, na esteira do próprio Karl Marx, que dizia que “o utilitarismo é moral de merceeiro inglês”.

O próprio Álvaro Cunhal (o ex-Secretário-geral do Partido Comunista), no seu livro “O Aborto – Causas e Soluções”, confessa que hesitou muito — e reflectiu ainda mais — antes de defender a legalização do aborto, precisamente por causa do carácter utilitarista da lei do aborto (e, por isso, não consentâneo com a pureza da doutrina marxista).


Toda a doutrina utilitarista encontra-se condicionada por duas proposições antitéticas ou contraditórias entre si:

bentham

  • uma proposição positiva (axiomática de interesse próprio), que diz que os homens devem ser considerados como indivíduos egoístas, calculadores e racionais, e que tudo deve ser pensado e elaborado a partir do seu ponto de vista — por exemplo, Rui Rio do PSD ou José Pacheco Pereira; “libertários” de Esquerda que mais não são do que prosélitos do marxismo cultural, como Rui Tavares; a maioria da elite do Partido Socialista; e grande parte dos militantes do Partido Social Democrata;
  • e uma proposição normativa (axiomática sacrificialista), que afirma que os interesses dos indivíduos, a começar pelo meu próprio, devem ser subordinados e mesmo sacrificados à felicidade geral ou do “maior número” — por exemplo, Catarina Martins do Bloco de Esquerda, alguns quadros do Partido Comunista (excluindo Jerónimo de Sousa);

Todo o utilitarismo mistura, em proporções infinitamente variáveis e dependente apenas da discricionariedade política das elites, uma axiomática do interesse e uma axiomática sacrificialista, que é simultaneamente um encantamento pelo egoísmo e uma apologia do altruísmo, e tentativa de reconciliar um ponto de vista ferozmente individualista e uma vertente colectivista, globalizada e holista.

Bloco de Esquerda, Partido Socialista, e PSD actual são partidos que perfilham o princípio ético de Bentham — o da maior felicidade para o maior número possível”: mas quem não faz parte do “maior número” … está f*d*d*!

A legalização da eutanásia, e a “destruição criativa” da sociedade

A Ana Sofia de Carvalho faz aqui um “diagnóstico” correcto acerca da posição putativamente “libertária” da Esquerda em matéria da legalização da eutanásia (que inclui o PSD de Rui Rio), mas depois ela aplica-lhe o “tratamento analítico” errado.

“Volto uma vez mais ao tema da eutanásia. Confesso que ao ler a exposição de motivos dos projectos de lei apresentados pelo BE, PS e PAN me fez revisitar uma corrente filosófica, denominada de libertária, que teve como principal autor um filósofo de Harvard, Robert Nozick.”

A crítica feita, por diversos filósofos, ao “libertarismo” de Nozick, é devastadora!

Desde logo, a crítica do filósofo Michael Sandel, que demonstra que o erro dos libertários é o de “adoptarem uma concepção voluntarista do sujeito” — isto é, adoptam a ideia segundo a qual o sujeito preexiste (existe anterior- e separadamente) aos fins que ele próprio elege. Em bom rigor, é impossível que o sujeito tenha um tal desapego de si mesmo a respeito dos fins, e por isso torna-se necessária a admissão de que a própria identidade (do sujeito) é constituída por aqueles fins.

Sandel defende a ideia segundo a qual a questão de saber se o Estado deve recusar intervir no tema do aborto depende da verdade ou falsidade da doutrina moral que concebe o aborto como um assassínio — e apenas se as teses substantivas da Igreja Católica sobre este assunto se revelarem falsas se terá o direito de exigir do Estado que permaneça neutro nesta matéria.

Ou seja, em matéria do aborto, o Estado actual não é neutro! E o mesmo se aplica à lei da eutanásia. Defender a ideia de neutralidade do Estado em matéria do aborto ou da eutanásia, é um sofisma.


eutanasia-velhariasA crítica do filósofo MacIntyre à chamada “escolha soberana” do indivíduo, em relação a uma escolha com a qual não estaria previamente comprometido, é a de que o sujeito (o indivíduo) é, em primeiro lugar, um agente (uma pessoa que age), e, nesta qualidade de agente, deve dar um sentido inteligível às suas acções. Ora, esse sentido inteligível não pode resultar de um acto isolado, mas, pelo contrário, deve ser encontrado numa sequência de actos, para que possa adquirir um mínimo de inteligibilidade. Essa “sequência de actos” é parte da identidade do individuo.

Qualquer interpretação de uma “acção deliberada” do sujeito necessita de ser contextualizada para adquirir sentido — e esse contexto não é objecto de escolha por parte do agente, mas antes é imposto ao agente. Esse contexto é constituído, em primeiro lugar, por um conjunto de práticas para as quais não estabelecemos (nós próprios, enquanto indivíduos isolados) as respectivas regras (por exemplo, através da herança histórica, ou da tradição).

Portanto, antes de a Ana Sofia de Carvalho criticar as posições contraditórias da Esquerda utilitarista (Bloco de Esquerda, PAN, Partido Socialista, PSD), deveria (em primeiro lugar) criticar a própria posição libertária de Nozick que se apoia numa concepção voluntarista do sujeito.

Ou seja, o Estado não é neutro, e esta Esquerda utilitarista sabe muito bem disso!

É suposto, segundo a Esquerda, que a legalização da eutanásia — assim como aconteceu com a legalização do aborto — deva ser financiada e imposta coercivamente pelo Estado em nome de uma putativa (e inexistente, em termos práticos) “liberdade do indivíduo a escolher”.

A legalização da eutanásia — assim como a legalização do aborto — serve fins políticos inconfessáveis e sinistros; e é sustentada por dois tipos de agentes políticos: os ignorantes — como é o caso de Rui Rio ou dos dirigentes do PAN (Pessoas-Animais-Natureza) — ou os que defendem a “destruição criativa da sociedade”, como é o caso da liderança do Bloco de Esquerda.

A lógica política do Bloco de Esquerda (e dos “liberais”) apela à legalização do infanticídio

adelaide-matou-filho-webO principal argumento do Bloco de Esquerda (e também dos “liberais”) para justificar a legalização do aborto foi o de que “há mulheres que abortam em vãos de escada”; e, portanto, na medida em que “há mulheres que abortam ilegalmente”“há que legalizar o aborto” — diziam eles.

A lógica política e jurídica dos “liberais” e da Esquerda é a de que “os factos ditam a feitura do Direito” — ou seja, as elites actuais reduzem a norma ao facto, e por uma razão simples: com a imposição do secularismo radical e extremista na cultura política, já não existe um fundamento metajurídico para o Direito (já não se sabe o que funda o Direito).

Seguindo a mesma lógica (e sendo coerentes), os “liberais” e a Esquerda terão que defender a legalização do infanticídio — porque “há mulheres que matam os seus bebés”.

Desde logo (e segundo a lógica dos “liberais” e da Esquerda), as mulheres que matam os seus filhos não devem ser presas pela polícia — a descriminalização do infanticídio é o primeiro passo para a sua legalização.

A seguir, o corolário lógico da actual postura política utilitarista é a de legalizar o infanticídio, porque “há mulheres que matam os seus bebés”: os factos ditam as normas.

legalizar-infanticidio-web