Uma imagem da decadência cultural (e das elites) na União Europeia

Vemos, na imagem abaixo, um(a) deputada(o) transgénero eleito(a) pelo partido alemão “Verdes” (Die Gruenen).

Este (a foto) é o símbolo de uma Europa que o político Paulo Rangel gosta, a ponto de defender a alienação total da soberania portuguesa em favor de um leviatão europeu — Paulo Rangel é euro-federalista.

Neste ambiente de decadência cultural, o homossexual Paulo Rangel está nas suas sete quintas. Aconselho os militantes do PSD a elegê-lo para presidente, a ver se o CHEGA ganha mais votos.

deputada alemanha web

Bruxelas está entregue à bicharada islâmica

Hoje, a verdade acerca do que se passa no mundo é censurado pelo Twitter e pelo FaceBook — ter contas no FaceBook (e no Instagram, que vai dar no mesmo) ou no Twitter serve apenas para confraternizar e/ou “engatar”: qualquer facto (verdadeiro e verificável) que contrarie uma determinada mundividência globalista, é imediatamente censurado.

A alternativa é, de facto, o GAB (o GETTR também censura algumas opiniões). Ou seja: um jornalista que se preze, ou um cidadão consciente, têm contas no GAB. bruxelas-video-web

Por exemplo, vemos aqui um vídeo que jamais (em tempo algum!) passaria no FaceBook ou Twitter; um vídeo que demonstra como a polícia de Bruxelas (a cidade capital da Bélgica e da União Europeia) já não controla as ruas da cidade, onde os Maomedanos fazem praticamente o que querem.

É isto que o CHEGA pretende evitar em Portugal — uma vez que temos um primeiro-ministro que se identifica com a imigração maomerdana.

A comissária europeia MijaTeVi, a defesa da degradação da cidadania, e a aliança entre o Francisco Louçã e o Pinto Balsemão

No seu livro “¿Por que falhou o liberalismo?” , o professor da universidade de Notre Dame, Patrick J. Deneen, tem um capítulo com o título “Degradação da cidadania”, em que ele descreve o processo — percorrido por aquilo a que se convencionou chamar de “liberalismo” — de retirada paulatina do poder político do cidadão e a concentração desse poder no Estado.

Naturalmente que Patrick J. Deneen faz a distinção entre “liberais clássicos”, por um lado, e “liberais progressistas”, por outro lado, mas também reconhece que essa distinção já não existe actualmente.

Um dos aspectos da “degradação da cidadania” é a sistemática transferência da autoridade moral do Estado nacional (por exemplo, o Estado português, ou Estado do Texas) para o super-estado do leviatão (por exemplo, a União Europeia, ou Washington).

A União Europeia começou com a política do “princípio da subsidiariedade”, para depois passar a impôr aos Estados as suas políticas internas.

A grande missão da União Europeia é a degradação das cidadanias nacionais da Europa.


MijaTeVi-web

A comissária MijaTeVi vomitou (literalmente) a cartilha ideológica do Bloco de Esquerda; trata-se de um discurso encomendado pela extrema-esquerda (trotskista internacionalista) que, em aliança com os “liberais” globalistas (para que se entenda melhor: é, metaforicamente, a aliança entre o Francisco Louçã e o Pinto Balsemão), controlam a União Europeia — numa altura em que a própria comunidade cigana vem reconhecer que o CHEGA tem razão: não se trata de racismo, mas antes de crítica a determinados comportamentos de grupo.

Este Leviatão, que é a União Europeia vendida aos ilogismos do “liberalismo” anti-nacional, tem que ser combatido com todos os meios possíveis.

O chamado “crime-de-ódio” é uma contribuição política para a transformação paulatina da União Europeia em uma espécie de “China” (sinificação)

gay-police-webNa Suécia, uma jornalista vai a tribunal por ter publicado na sua página da Internet um artigo de outra pessoa que questionava a probidade profissional dos muçulmanos proprietários de farmácias.

Em resumo: 1/ uma grande percentagem dos proprietários de farmácias na Suécia é constituída por muçulmanos; 2/ os muçulmanos, por princípio, obedecem à lei da Sharia que dá prioridade aos outros muçulmanos no fornecimento de medicamentos em caso de escassez no mercado; 3/ portanto, a pergunta é pertinente: em caso de escassez de medicamentos, ¿será que os proprietários muçulmanos das farmácias irão dar prioridade de fornecimento a outros muçulmanos?

Ora, a referida jornalista apenas publicou um artigo (que não era da autoria dela) que colocou em questão o problema da fidelidade dos muitos farmacêuticos muçulmanos em relação à lei da Sharia. E apenas por ter publicado esse artigo, foi acusada de “crime-de-ódio” e sujeita agora a dois anos de prisão.


É neste contexto de criminalização da opinião e restrição neomarxista da liberdade de expressão na União Europeia que se situa a escolha de Ursula von der Leyen para líder da União Europeia — eu assumo o meu enorme preconceito em relação às mulheres na política: a Margaret Thatcher foi uma excepção à regra, mas ainda assim foi uma defensora acérrima do aborto.

 eu-never-leave-WEB

A Ursula von der Leyen vem agora com uma putativa campanha contra os “crimes-de-ódio”, à moda da Suécia. Mas ela própria não sabe bem o que é um “crime-de-ódio”, nem interessa saber: o conceito de “crime-de-ódio” é apenas um pretexto para impôr condicionalismos culturais e tiques totalitários aos povos da Europa.

Os “desejos húmidos” totalitários e fascistas dos dignitários da União Europeia

Josep Borrell (espanhol, catalão), militante da actual geringonça esquerdopata espanhola de que foi ministro do Exterior (2018), eu-burocratas-400ex-presidente do parlamento europeu, o actual vice-presidente da Comissão Europeia e Alto Representante da União para os Negócios Estrangeiros e a Política de Segurança desde 2019 — é desta merda que a União Europeia se alimenta!

Numa conferência de embaixadores da Alemanha, realizada na Segunda-feira passada e a propósito da próxima presidência rotativa da União Europeia por parte da Alemanha que começa em Julho, a grande besta descreveu o COVID-19 como “o grande acelerador da História”, antes de anunciar “o fim do sistema liderado pelo Estados Unidos” e o advento do Poder glorioso da China.

O grande filho-de-puta esquerdopata afirmou que “aumenta a pressão para a União Europeia escolher entre os Estados Unidos e a China”.

O cabrão continua, depois, a esquerdar — afirmando que a União Europeia deve “mostrar disciplina colectiva” no sentido de se sintonizar com as políticas da China — porque, alegadamente, o modelo chinês é mais consentâneo com o futuro da União Europeia do que o modelo político americano (baseado na liberdade política e económica).

Bem sei que a referida cavalgadura, enquanto individuo, tem o direito à livre expressão da sua opinião; mas é intolerável que enquanto vice-presidente da Comissão Europeia, o-filho-de-uma-grandessíssima-alternadíssima se afirme partidário do sistema fascista chinês.

A União Europeia que temos: as igrejas fechadas até Junho, mas o Ramadão islâmico pode ser celebrado

Em França, o “liberal” Macron (de acordo com o Chico do Vaticano) mandou fechar as igrejas católicas até Junho; mas o Ramadão pode ser celebrado nas mesquitas sobre pretexto de que “os muçulmanos podem visitar-se uns aos outros”.


eu-never-leave-WEB

Estamos f*d*d*s! : a União Europeia está a ser governada pelo mulherio

« La decisión del BCE de no bajar más los tipos de interés, aunque inyectará 120.000 millones de euros, no ha convencido al Ibex 35, que tras conocerse esta decisión, se ha desplomado un 10% y se ha acercado a los 6.000 puntos. Los mercados esperaban un movimiento en el mismo sentido que los realizados de emergencia por la Reserva Federal (Fed) y el Banco de Inglaterra que paliara en parte el impacto del coronavirus en la economía. »

Sigue el crash: el Ibex se hunde un 10% defraudado por las medidas del BCE ante el coronavirus


europe-is-doomed-web

Escolher uma mulher para liderar a União Europeia foi um erro que pagaremos muito caro

É óbvio que uma regra (normalmente) tem excepções, e por isso é que é uma regra; e é comummente aceite (como regra ou juízo universal) que as mulheres são mais eficientes na gestão das políticas locais (nas autarquias), mas muito menos eficazes na condução de políticas a nível superior da governança.

von-der-leyen-web

Depois de ter tido um alcoólico inveterado a dirigir a União Europeia, as elites políticas globalistas — que mandam nos Estados da Europa — escolheram uma mulher para presidente do leviatão europeu.

sultao-turco-web

A posição da União Europeia em relação à declarada hostilidade da Turquia em relação à Europa, é de uma clara submissão política em relação a um ditador islamita ; faz lembrar a submissão canina do primeiro-ministro inglês Chamberlain em relação a Hitler.