Se os americanos não quiseram investir em Portugal, não podem agora reivindicar direitos de preferência

Quando o governo de Passos Coelho (2010 / 2011) quis privatizar a REN (Rede Eléctrica Nacional) e a EDP, nenhuma oferta credível foi feita a partir dos Estados Unidos (com excepção de uma oferta manhosa de uma EDGE FUND suspeita baseada em um OFF SHORE). Da União Europeia veio uma mão cheia de nada: ninguém credível se chegou à frente para comprar as referidas duas empresas portuguesas valiosas.

As únicas ofertas credíveis vieram da China: duas empresas que pertenciam ao Estado português passaram a pertencer ao Estado chinês.

marcelo-eua-webUma das razões por que Donald Trump foi eleito: Obama destruiu o capitalismo nos Estados Unidos — sendo que “capitalismo” não é a concentração da riqueza (de um país) em meia dúzia de plutocratas; isso é fascismo; ou, como escreveu G. K. Chesterton : “demasiado capitalismo não significa a existência de demasiados capitalistas, mas antes significa a existência de muito poucos capitalistas”.

Na Europa, o capitalismo (propriamente dito) foi destruído pela União Europeia, por duas vias: a primeira, o aumento desmedido das dívidas soberanas nacionais; a segunda, a espoliação dos capitais nacionais, ou seja, o favorecimento da fuga do capital nacional privado, dos diferentes países da União Europeia, para paraísos fiscais, devido ao aumento brutal de impostos.

O investimento (empresarial) dos Estados Unidos em Portugal é muito baixo; talvez o único país da União Europeia que tem recebido investimento americano considerável, é a Irlanda.

E as empresas americanas (em geral) não investem nos países da União Europeia porque, ou estão descapitalizadas (a descapitalização operada pela governança de Obama), ou as grandes empresas que não estão descapitalizadas estão nas mãos de uma dúzia de plutocratas “anti-Trump” que mantêm relações privilegiadas com o Estado chinês (Google, Microsoft, Amazon, Apple, etc.).

É neste contexto de “descapitalização do capitalismo” norte-americano que surge a eleição do “reaccionário” Donald Trump.

O problema é o de que duas das maiores empresas públicas portuguesas já foram vendidas à China. Ou seja, quem não “se chegou à frente” em 2011, não pode agora reivindicar direitos. Se os americanos não quiseram investir em Portugal em tempo de crise, não podem agora reivindicar direitos de preferência.

A “gangsterização” dos partidos políticos nos Estados Unidos

O fenómeno da gangsterização da política americana foi iniciado pelo Partido Democrata (pela Esquerda), através da tentativa (feita por este partido) de recuperação política da extrema-esquerda marxista: o Partido Democrata partiu do princípio politicamente correcto segundo o qual é possível agarrar num cagalhão pela sua parte mais limpa.

Foi neste processo de gangsterização agit-prop da política, adoptada pelo Partido Democrata, que criaturas extremistas, lunáticas e radicais da estirpe de Alexandria Ocasio-Cortez foram acolhidas no seio do partido; ou que uma criatura perfeitamente amoral, como é Kamala Harris, foi escolhida para candidata à vice-presidência dos Estados Unidos.

Como cereja no topo do bolo, foi escolhido pelo Partido Democrata um candidato demente à presidência dos Estados Unidos: o concurso político de Joe Biden tem apenas o intuito de salvar o seu (dele) filho (Hunter Biden) da pendente denúncia de corrupção perpetrada por este (com o apoio político do pai) na Ucrânia durante o consulado de Obama.

soros-black-web

O massivo financiamento de movimentos de extrema-esquerda (marxistas radicais e terroristas), como por exemplo o Black Lives Matter e os Antifa, tem vindo a ser investigado pelo Dept. de Justiça da administração Trump; porém, esta investigação revela-se extremamente difícil, porque a própria estrutura dirigente do FBI serve claramente os interesses do Partido Democrata — a polícia federal não é politicamente neutra, e já não segue a letra da lei.

O sistema político americano já foi desvirtuado através da gangsterização do Partido Democrata: os Estados Unidos caminham a passo largo para uma terceiro-mundização, em que o poder político passa a depender mais do nepotismo da ruling class do que da própria estrutura da lei.

O Partido Democrata e a ruling class americana (Hollywood, universidades, os plutocratas) colocaram o país na antecâmara de um golpe-de-estado (intervenção das Forças Armadas).

bilionarios-pandemia-webPara que se tenha uma ideia do problema da relação promíscua entre o globalismo plutocrata defendido pelo Partido Democrata, por um lado, e a Esquerda radical e marxista — apenas durante a actual pandemia do COVID-19, a fortuna de Bezos (o dono da Amazon e do Washington Post) aumentou em 76 mil milhões de US Dollars; a fortuna do Zuckerberg (dono do FaceBook) aumentou em 42 mil milhões de US Dollars; e a fortuna de Bill Gates aumentou em 16 mil milhões de US Dollars (estamos a falar de apenas cinco meses). Entretanto, cerca de 40 milhões de pessoas correm o risco de perder as suas casas e passar a viver em tendas.

Para os mais ricos do mundo, o COVID-19 veio mesmo a calhar!

A gangsterização política do Partido Democrata, através da utilização discricionária da violência pública e do assassinato de opositores políticos (Black Lives Matter e Antifa), irá conduzir (mais cedo do que tarde) a uma reacção congénere da parte do Partido Republicano. Paradoxalmente, é o próprio Donald Trump que tenta impedir uma radicalização do Partido Republicano (ou da maioria branca), através de um discurso político de conciliação rácica — que é exactamente o oposto do que o Partido Democrata tem feito até agora.

Porém, parece-me que a constituição de grupos clandestinos armados e bem organizados, oriundos da maioria branca, será inevitável. E quando isso acontecer, criaturas como o Soros, Gates ou Bezos (entre muitos outros) passarão a ser sérios candidatos a defuntos.

O estado a que chegou o ensino estatal nos Estados Unidos da América

Vemos aqui em baixo as fotografias dos terroristas dos Black Lives Matter/ANTIFA presos no fim-de-semana passado, na cidade de Portland (Estado de Oregon), na sequência de actos de violência contra a polícia federal.

As fotografias que têm uma cruz — ou as fotografias coloridas — são de professores do sistema de ensino do Estado.

Agora imagine, caro leitor, o nível miserável do ensino estatal nos Estados Unidos. Pobres crianças!

professores-antifa-web

Os Estados Unidos e a invasão interna dos bárbaros

A Roma antiga divide-se historicamente em dois períodos: o período da república (até Júlio César), e o período do império (que acabou com a queda de Roma às mãos dos bárbaros). Em ambos os períodos, o ouro, a prata e o cobre foram utilizados na cunhagem de moeda.

Porém, depois do século II d.C., iniciou-se um longo processo de destruição da moeda romana, o que gerou uma inflação sistémica e continuada. Os imperadores romanos começaram então a misturar o ouro com prata e com cobre (ligas metálicas), no sentido de aumentar a quantidade de dinheiro em circulação (o equivalente ao actual Quantitative Easing) — uma vez que a quantidade de ouro disponível já não era suficiente para alimentar a máquina de guerra romana, e/ou para pagar os privilégios dos cidadãos em Roma e os vícios das elites.

Ora, o povo não é burro: quando as ditas “moedas de ouro” passaram a ter apenas uma pequena percentagem de ouro, o valor da moeda romana diminuiu e a inflação sistémica disparou em todo o império romano. Trata-se aqui, também, de uma questão psicológica.

Quando os bárbaros invadiram o império, já não havia, em Roma, uma economia suficientemente forte para sustentar os esforços militares de repressão da invasão.

Roma estava já tecnicamente falida, ainda antes da invasão dos bárbaros.

invasao-barbaros-web


Aconselho a visualização deste vídeo no YouTube: “The END of America? Peter Schiff Gives His Forecast”.

Os Estados Unidos vão ter que rever (teoricamente) as suas práticas democráticas, se o país quiser sobreviver.

E essa “revisão” implicará medidas drásticas, que poderão tornar legítimos (se bem que, ainda assim, ilegais) alguns assassinatos “anónimos” de proeminentes políticos de Esquerda. Não me admiraria absolutamente nada que, por exemplo e entre muitos outros, George Soros levasse brevemente um tiro na cabeça. Irá (provavelmente) aumentar um certo tipo de repressão política “não-oficial”, que é aquela que não existe na Constituição mas que existe na prática política quotidiana.

Os “desejos húmidos” totalitários e fascistas dos dignitários da União Europeia

Josep Borrell (espanhol, catalão), militante da actual geringonça esquerdopata espanhola de que foi ministro do Exterior (2018), eu-burocratas-400ex-presidente do parlamento europeu, o actual vice-presidente da Comissão Europeia e Alto Representante da União para os Negócios Estrangeiros e a Política de Segurança desde 2019 — é desta merda que a União Europeia se alimenta!

Numa conferência de embaixadores da Alemanha, realizada na Segunda-feira passada e a propósito da próxima presidência rotativa da União Europeia por parte da Alemanha que começa em Julho, a grande besta descreveu o COVID-19 como “o grande acelerador da História”, antes de anunciar “o fim do sistema liderado pelo Estados Unidos” e o advento do Poder glorioso da China.

O grande filho-de-puta esquerdopata afirmou que “aumenta a pressão para a União Europeia escolher entre os Estados Unidos e a China”.

O cabrão continua, depois, a esquerdar — afirmando que a União Europeia deve “mostrar disciplina colectiva” no sentido de se sintonizar com as políticas da China — porque, alegadamente, o modelo chinês é mais consentâneo com o futuro da União Europeia do que o modelo político americano (baseado na liberdade política e económica).

Bem sei que a referida cavalgadura, enquanto individuo, tem o direito à livre expressão da sua opinião; mas é intolerável que enquanto vice-presidente da Comissão Europeia, o-filho-de-uma-grandessíssima-alternadíssima se afirme partidário do sistema fascista chinês.

Estou de acordo com a Catarina Martins em relação a uma possível intervenção militar americana na Venezuela

 

Donald Trump disse ontem que “todas as opções (incluindo a invasão militar) estão disponíveis em relação à Venezuela” — o que revela que os filhos-de-puta dos neocons já tomaram conta da agenda política de Trump.

Uma das promessas eleitorais de Donald Trump foi a de reverter/contrariar a política globalista defendida pela aliança tácita entre os neocons do partido republicano (os militares, Bush, Bolton, etc.), por um lado, e os liberais do partido Democrata (Pelosi, Schumer), por outro lado — o que significaria não só a retirada das tropas americanas dos vários cenários de guerra onde ainda estão presentes (por exemplo, Síria), mas também uma política externa isolacionista de não-ingerência nos assuntos internos de outros países.

Ora, Donald Trump tem vindo a ceder às exigências dos neocons.

Paleo-conservadores, como por exemplo James Woods, Clint Eastwood, ou Ann Coulter, têm vindo a denunciar publicamente o não-cumprimento das promessas eleitorais de Donald Trump.

A ameaça de Donald Trump de invasão militar da Venezuela é inaceitável e intolerável.

Não queremos viver num mundo onde os Estados Unidos se arrogam do direito de atacar países cujas políticas não agradem aos filhos-de-puta dos globalistas.