Eu não sei se é uma agenda política (dos me®dia), ou pura estupidez natural

“Todos os dias, depois de engolirem impávidos e serenos tudo o que o poder e a DGS lhes digam ou o contrário, os pobres diabos dos telejornais têm dois pequenos momentos obtusos sobre o Brasil e os EUA. O conteúdo é planeado e escrito por uma combinação de imbecis e chicos-espertos.”

A horinha dos imbecis


Covid-15-5

O José Pacheco Pereira e o Argumentum ad Trumpum (1)

O José, da Porta da Loja, publica aqui a opinião do José Pacheco Pereira acerca daquilo que é considerado um “facto”, pelos me®dia politicamente correctos internacionais: a ideia segundo a qual um homem morreu porque seguiu as alegadas indicações que Donald Trump (Argumentum ad Trumpum) terá dado no sentido de ingestão de um determinado extracto de quinino que é normalmente utilizado para limpeza de aquários.

Acontece que a polícia americana está a investigar a esposa do homem morto (a mulher é de Esquerda e militante do partido Democrata) por homicídio.

Mas este novo facto (o de que a polícia está investigar o homicídio do homem) é cuidadosamente escondido pelos me®dia mafiosos de que o José Pacheco Pereira faz parte activa.

Vou mantendo aqui os leitores sobre o desenrolar das investigações policiais americanas sobre este assunto.

O jornaleco “Observador” e o Argumentum ad Trumpum

Como toda a gente sabe — excepto o jornaleco Observador  (o artigo do pasquim não está assinado) —, as ondas ultravioletas são (há bastante tempo) utilizadas para descontaminar biologicamente superfícies fechadas (por exemplo, o interior de aviões, ou de espaços restritos em hospitais).
Mas quando o Donald Trump se referiu aos raios ultra-violetas para desinfectar os vírus, caiu o Carmo e a Trindade nos me®dia, e “Aqui d’El Rei que o homem é ignorante!”.

Temos aqui mais um exemplo do Argumentum ad Trumpum.


desinftante-injtar-observador-web

Depois, para os jornaleiros dos me®dia cognitivamente deficientes (incluindo os do Observador, em juízo universal), uma pergunta feita por Donald Trump é sempre uma afirmação peremptória.

Se, por hipótese, Donald Trump perguntar: “¿Será que é possível ir ao Sol de noite?” — os jornaleiros dos me®dia que temos irão publicar: “Donald Trump disse que é possível ir ao Sol de noite!”.

Ora, uma pergunta, por mais estúpida que nos possa parecer, não é uma afirmação. Confundir uma afirmação e uma pergunta só pode vir de um liberal retardado (passo a redundância).

Eu tenho mais respeito pelo pasquim Público do que pelo jornaleco Observador — desde logo porque o Público não segue o Acordo Ortográfico, ao passo que o Observador seguiu as ordens dos neoliberais “progressistas” e globalistas, no que diz respeito à cultura e língua portuguesas; e depois porque o pasquim Público não engana ninguém, ao contrário do jornaleco Observador que passa a vida a fingir que é de Direita.

A Turquia é um Estado terrorista, e como tal deve ser tratado

A posição “acagaçada” da União Europeia, em relação à política externa da Turquia, dá razão à posição de Donald Trump de pretender retirar as tropas americanas da Síria.

Ou seja, os políticos europeus detractores da decisão de Donald Trump de abandonar os curdos na Síria, perdem a razão quando se acobardam perante o Estado terrorista que é a Turquia.

A mentira sistémica do Diário de Notícias

Dois colaboradores do advogado pessoal do presidente dos EUA foram detidos. Estão a ser acusados de violarem as regras de financiamento da campanha eleitoral. Lev Parnas e Igor Fruman terão ajudado Rudy Giuliani a pressionar a Ucrânia para investigar Joe Biden.”

Detidos dois colaboradores do advogado de Trump - DN -web

Vemos aqui a notícia verdadeira na Fox News News: os dois homens detidos são empresários (“homens de negócios”), e não trabalham para o advogado de Donald Trump; ou seja, não são “colaboradores” do advogado de Donald Trump. (ver aqui a notícia do pasquim em PDF).

Reparem bem como a “notícia” do Diário de Notícias (seguindo o paradigma da CNN) foi construída de tal modo que 1/ não só branqueia os crimes de corrupção do vice-presidente de Obama, Joe Biden, mas sobretudo 2/ utiliza a acusação de alegado crime de doação excessiva de dinheiro para a campanha de Donald Trump para induzir no leitor a ideia segundo a qual a investigação dos crimes de corrupção do esquerdista Joe Biden, em si mesma, é um crime.

Donald Trump — “entalado” entre o internacionalismo trotskista e o globalismo Neocon

A economia americana (ou seja, a economia dos Estados Unidos da América) cresce a cerca de 3% por ano, sob os auspícios de Donald Trump; e poderia ter um crescimento maior se o Banco central americano (aka “Reserva Federal”) não tivesse adoptado uma política de taxa de juros “anti-Trump”.

Ou seja: a economia dos Estados Unidos cresce “a olhos vistos”, embora “contra ventos e marés” — o que se está a passar nos Estados Unidos de Donald Trump é um verdadeiro milagre económico, na medida em que uma maioria da ruling class [que inclui as elites política (o parlamento), académica (as universidades), e financeira (Wall Street)] se manifesta claramente contra a governação de Donald Trump.

Em contrapartida, a economia chinesa entrou já em pré-recessão, e a ponto tal de a China ter que desvalorizar drasticamente a sua moeda, por um lado, e por outro lado, o governo chinês ameaça retaliar contra os Estados Unidos através da compra de petróleo ao Irão — a retaliação chinesa é política, e não é tarifária ou comercial.


É neste contexto que me refiro a este texto do ABC:

«The Trump administration will blink» face ao governo chinês no caso da Huawey e na guerra comercial, porque precisa do acordo – Mike Baker (ex-CIA) em entrevista a Joe Rogan, em 31-7-2019.


Desde logo, só é entrevistado por Joe Rogan quem pertence à Esquerda americana, ou então quem é crítico de Donald Trump. Não tenho conhecimento de nenhum apoiante de Donald Trump que tenha sido entrevistado no programa de Joe Rogan (e, note bem, eu sigo o fenómeno político americano de muito perto).

Do ponto de vista ideológico, o referido Mike Baker é um Neocon e, por isso, anti-Trump.

Neocon que se preze não gosta de Donald Trump.

Aliás, a chamada “direitinha” europeia — desde Assunção Cristas (ou João César das Neves), a Angela Merkel e a Theresa May — é pautada pelo ideário ideológico e político Neocon.

Quem manda na “direitinha” europeia são os globalistas neocons.

A melhor forma de compreendermos o ideário Neocon será o de analisar a evolução política de James Burnham, que foi inicialmente um internacionalista trotskista e, mais tarde, passou a defender o globalismo Neocon (les bons esprits se rencontrent...).

A "Direitinha" não gosta do Trump; prefere o mangalho da Esquerda

Ilhan Omar Desta vez estou parcialmente de acordo com a “Direitinha” : Donald Trump atacou particularmente uma deputada radical islâmica, de seu nome Ilhan Omar — uma anti-semita primária, anti-israelita, uma radical islâmica defensora da implementação da Lei Islâmica (Sharia) nos Estados Unidos, uma criatura que desculpou os atacantes radicais islâmicos das torres gémeas de 11 de Setembro de 2001, uma vaca que casou com o seu próprio irmão para que este pudesse emigrar para os Estados Unidos, etc..

Naturalmente que a “Direitinha” do Observador tinha que defender a vaca islâmica e atacar o Donald Trump.

A minha relação com Trump é a seguinte: quando comecei a ver que a Esquerda toda, maila  Direitinha (incluindo o CDS da Assunção Cristas, que fecha a Esquerda à direita), atacavam sistematicamente o homem, percebi que talvez fosse melhor deixar o meu cepticismo de lado e passar a defendê-lo.

A Direitinha não gosta de Trump. Como se diz aqui : “com as sondagens a dar a esquerda perto dos 2/3 do parlamento necessários para uma revisão constitucional”, a “Direitinha” prepara-se para ser enrabada a sangue frio — e ainda por cima gosta, e pede mais mangalho esquerdista.

A Direitinha é paneleira.

«O Trump é um malvado !» — diz a Esquerda, que inclui os chamados “liberais” de “direita”

 

« Las dudas sobre la sostenibilidad del boom económico que está experimentando Estados Unidos llevan tiempo encima de la mesa. No pocos analistas alertan de que el exceso de deuda y las distorsiones inducidas por la política monetaria pueden terminar llevando al gigante norteamericano a una crisis.»

Los sueldos suben un 3,5% en EEUU al calor del pleno empleo

Donald-Trump-Apple-China

Estou de acordo com a Catarina Martins em relação a uma possível intervenção militar americana na Venezuela

 

Donald Trump disse ontem que “todas as opções (incluindo a invasão militar) estão disponíveis em relação à Venezuela” — o que revela que os filhos-de-puta dos neocons já tomaram conta da agenda política de Trump.

Uma das promessas eleitorais de Donald Trump foi a de reverter/contrariar a política globalista defendida pela aliança tácita entre os neocons do partido republicano (os militares, Bush, Bolton, etc.), por um lado, e os liberais do partido Democrata (Pelosi, Schumer), por outro lado — o que significaria não só a retirada das tropas americanas dos vários cenários de guerra onde ainda estão presentes (por exemplo, Síria), mas também uma política externa isolacionista de não-ingerência nos assuntos internos de outros países.

Ora, Donald Trump tem vindo a ceder às exigências dos neocons.

Paleo-conservadores, como por exemplo James Woods, Clint Eastwood, ou Ann Coulter, têm vindo a denunciar publicamente o não-cumprimento das promessas eleitorais de Donald Trump.

A ameaça de Donald Trump de invasão militar da Venezuela é inaceitável e intolerável.

Não queremos viver num mundo onde os Estados Unidos se arrogam do direito de atacar países cujas políticas não agradem aos filhos-de-puta dos globalistas.