O José Pacheco Pereira e o Argumentum ad Trumpum (1)

O José, da Porta da Loja, publica aqui a opinião do José Pacheco Pereira acerca daquilo que é considerado um “facto”, pelos me®dia politicamente correctos internacionais: a ideia segundo a qual um homem morreu porque seguiu as alegadas indicações que Donald Trump (Argumentum ad Trumpum) terá dado no sentido de ingestão de um determinado extracto de quinino que é normalmente utilizado para limpeza de aquários.

Acontece que a polícia americana está a investigar a esposa do homem morto (a mulher é de Esquerda e militante do partido Democrata) por homicídio.

Mas este novo facto (o de que a polícia está investigar o homicídio do homem) é cuidadosamente escondido pelos me®dia mafiosos de que o José Pacheco Pereira faz parte activa.

Vou mantendo aqui os leitores sobre o desenrolar das investigações policiais americanas sobre este assunto.

O jornaleco “Observador” e o Argumentum ad Trumpum

Como toda a gente sabe — excepto o jornaleco Observador  (o artigo do pasquim não está assinado) —, as ondas ultravioletas são (há bastante tempo) utilizadas para descontaminar biologicamente superfícies fechadas (por exemplo, o interior de aviões, ou de espaços restritos em hospitais).
Mas quando o Donald Trump se referiu aos raios ultra-violetas para desinfectar os vírus, caiu o Carmo e a Trindade nos me®dia, e “Aqui d’El Rei que o homem é ignorante!”.

Temos aqui mais um exemplo do Argumentum ad Trumpum.


desinftante-injtar-observador-web

Depois, para os jornaleiros dos me®dia cognitivamente deficientes (incluindo os do Observador, em juízo universal), uma pergunta feita por Donald Trump é sempre uma afirmação peremptória.

Se, por hipótese, Donald Trump perguntar: “¿Será que é possível ir ao Sol de noite?” — os jornaleiros dos me®dia que temos irão publicar: “Donald Trump disse que é possível ir ao Sol de noite!”.

Ora, uma pergunta, por mais estúpida que nos possa parecer, não é uma afirmação. Confundir uma afirmação e uma pergunta só pode vir de um liberal retardado (passo a redundância).

Eu tenho mais respeito pelo pasquim Público do que pelo jornaleco Observador — desde logo porque o Público não segue o Acordo Ortográfico, ao passo que o Observador seguiu as ordens dos neoliberais “progressistas” e globalistas, no que diz respeito à cultura e língua portuguesas; e depois porque o pasquim Público não engana ninguém, ao contrário do jornaleco Observador que passa a vida a fingir que é de Direita.

O António Balbino Caldeira e o Argumentum ad Trumpum

Basta que se associe uma determinada ideia a Donald Trump, para que essa ideia seja automaticamente desacreditada.

Esta é uma característica da Esquerda que o António Balbino Caldeira também perfilha (acredito que de forma inconsciente).

dump-trump-web

O conceito de “Argumentum ad Trumpum” foi engendrado pelo médico e pensador Theodore Dalrymple:

  • se uma determinada opinião se assemelha, de qualquer modo possível, às ideias de Donald Trump (nem que seja porque chega às mesmas conclusões lógicas), então não é necessária qualquer refutação racional dessa ideia: ela está automaticamente (e irracionalmente) refutada;
  • o  tipo de “argumentação” do Argumentum ad Trumpum não utiliza o cérebro; em vez disso, utiliza as vísceras: o ódio a Donald Trump é tal, que qualquer coisa que possa ser remotamente imputável a Donald Trump a torna (a essa coisa) desqualificada para qualquer consideração inteligente e inteligível.