A Europa está a ser governada por alienados

1/ Neste texto ficamos a saber que o comportamento de um aerogerador, ao longo do tempo, é independente da evolução das “mudanças climáticas”, que afectam tudo excepto o negócio das chamadas “energias renováveis”.

“Assim, o preço do MWh de energia eólica vai depender muito mais dos custos do que da produção, porque a produção de um aerogerador é bastante previsível ao longo dos anos de vida útil e dos dados de vento do local da instalação.”

Tratando-se das eólicas, o vento passa a ser “previsível”, e, por isso, a imprevisibilidade causada pelas “mudanças climáticas” não existe.

Paradoxalmente, aqueles que são contra o chamado “Aquecimento Global Antropogénico”, contra o petróleo, e a favor das “energias renováveis”, são simultaneamente contra a energia nuclear.

ecologistas de merda web

As ciclovias de Lisboa e Porto não são concebidas para recreio!: são mesmo para obrigar o povão a ir para o trabalho montado à moda do chinês da década de 1950.

2/ Na Alemanha pós-Merkel, as estações de televisão já entraram numa campanha de mentalização dos alemães para o facto de que irão ser obrigados a passar frio em suas casas, no Inverno que vem aí (como aconteceu recentemente no Texas, com apagões recorrentes).

Depois de ter fechado as centrais nucleares (por pressão política da Esquerda), a Angela Merkel passou a importar gás natural da Rússia para substituir a energia nuclear— o que é um perfeito absurdo, se ligarmos um facto ao outro. E o preço do gás natural têm subido astronomicamente…!

Mas mais absurdo é o facto de a Alemanha estar a construir uma nova super central eléctrica alimentada a carvão, perto da cidade de Dortmund, depois de ter fechado TODAS as centrais nucleares…!

chinesinho limpopo web

3/ Vindo da Esquerda, não podemos esperar nada (absolutamente nada!) de coerente. Vindo da Esquerda, só podemos esperar ideologia. Enquanto as pessoas não ganharem consciência disto, o nível de vida das populações irá sempre piorar.

4/ Entretanto, as redes sociais (por exemplo, o YouTube) já anunciou que irá censurar as opiniões de quem é céptico em relação à eficácia das “energias renováveis”. Os cépticos das eólicas são os novos “negacionistas”.

5/ Quando há cada vez menos chineses a andar de bicicleta, as elites europeias criam vias específicas para bicicletas, nas cidades — mas não são vias de ciclismo para recreio do burguês: são mesmo vias para o cidadão ir pedalar para o trabalho, deixando livres as ruas para os automóveis das elites.

As ciclovias de Lisboa e Porto não são concebidas para recreio!: são mesmo para obrigar o povão a ir para o trabalho montado à moda do chinês da década de 1950.

O globalista Macron, a construção paulatina do leviatão da União Europeia, e a sovietização da política na Europa

O estudante de 19 anos que atirou um ovo ao Macron (que desperdício!) na passada Segunda-feira, em Lyon, foi internado compulsivamente em um hospital psiquiátrico.

Paulatinamente, a Europa (e o Ocidente, em geral) cada vez mais se parece com a defunta URSS.

Putin certamente que se ri com estes idiotas globalistas — e o idiota euro-federalista Paulo Rangel deve andar feliz e contente com o exemplo do Macron.

macron-urss-psiquiatria-web

Não me venham dizer que isto é “simples coincidência”

miss england 2021miss ireland 2021miss france

A elite cria propositadamente os problemas; e depois invoca a necessidade de restrição da liberdade política para os resolver.

Seria absolutamente impensável — impossível! — que uma mulher da minoria branca, por exemplo, na África do Sul, pudesse ser nomeada “Miss África do Sul”; não há sequer a possibilidade política de se abrir uma excepção.

Porém, na Europa, o critério das elites políticas é exactamente o contrário: uma mulher que não seja branca está condenada a ser Miss Qualquer Coisa.

Ou seja, a mulher europeia, que pertence à maioria étnica e autóctone, tem vindo a ser desprezada pelas elites políticas globalistas que defendem a substituição populacional na Europa.

É este tipo de discriminação politicamente correcta que incentiva o potencial recrudescimento do racismo na Europa: o sentimento generalizado de injustiça.

Por isto é que as elites actuais (incluindo a Marine Le Pen, em França) defendem um Estado todo-poderoso e para-totalitário, com fortes restrições à liberdade política dos indivíduos: primeiro, a elite cria propositadamente os problemas, e depois invoca a necessidade de restrição de liberdade política para os resolver.

O prometeanismo de Emmanuel Macron, o totalitarismo suave em França, e o abaixamento do QI da população

A França do Macron transformou-se em uma sociedade em que a elite política (a que está ligada a Macron) é presentista; tem o maior desprezo pelo passado (histórico), e revela (ironia do destino!) um sincretismo ideológico entre o globalismo neoliberal, por um lado, e o marxismo cultural, por outro lado (sinificação).

numeros-romanos-webTrata-se de um presentismo que vê no passado (na História) uma ameaça ao prometeanismo pós-religioso da sociedade que se pretende construir, controlada pelo globalismo neoliberal, em aliança tácita com uma certa minoria elitista, caceteira, autóctone e marxista.

Tanto os marxistas culturais como os globalistas (não confundir “globalismo” e “globalização”), acreditam que o mundo é feito pelo ser humano, e que nada lhe é dado, à partida. Esta ideia tem raízes em Francis Bacon.

Para o ser humano prometaico, o passado (histórico) não passa de uma colecção de crimes e de loucuras, e o mundo é a matéria-prima da conquista humana (futura) da perfeição — não existem limites para o destino/futuro do Homem, nem limites para a maleabilidade da Natureza Humana; e não existe uma dimensão trágica da vida humana.

Segundo a mente prometaica (que, basicamente, é, por assim dizer, uma versão alargada da mente revolucionária), o ser humano pode fazer, de si próprio, o que quiser e é, por isso, passível de se tornar perfeito; ou seja: partindo do pressuposto de que “o Homem é aperfeiçoável”, o prometaico conclui (ou infere) que “o Homem tem que se tornar perfeito” (trata-se de uma obrigação ontológica e moral que decorre de uma condição prévia).

Esta perfeição prometaica não é espiritual: é uma perfeição Hic et Nunc (aqui e agora), inerente ao mundo material (presentismo).

A libertação — para o prometaico Macron, por exemplo — é a conquista da felicidade imutável, permanente e total; em que os escolhos (culturais) provenientes do passado, e os inconvenientes existenciais (como, por exemplo, a morte, ou os conflitos inerentes à Natureza Humana) são banidos.

É o LIMITE, entendido no Absoluto Simples, que o prometaico rejeita — e não um qualquer pequeno “limite”, subordinado, e em particular.


paris-orleans-web

O prometeanismo é uma forma de totalitarismo. Ou melhor: é a actual forma de totalitarismo.

Basta ver o que se passa actualmente em França, com o Macron a querer impôr (utilizando a força bruta do Estado) à sociedade francesa um apartheid sanitário (o carneirismo covideiro).

É um forma de totalitarismo suave e orwelliano, travestido de “libertação” (através da opressão, dizem querer “libertar o povo”).

A ideia de “libertação”, vinda das elites políticas prometaicas, é a de um Homem pós-religioso totalmente liberto de todas as circunstâncias especificas e particulares — especialmente liberto em relação ao passado, de modo a poder ser livre para ser, ele próprio, um Ente Glorioso à face da Terra.

O objectivo da libertação prometaica do Homem é a de alimentar, no ser humano, a construção de um Ego sem quaisquer limites (ou limitações).

Em vez de investir na educação dos cidadãos, a sociedade macroniana, presentista, prometaica, pretende que o ignorante se sinta feliz e livre das amarras de um passado considerado “absurdo” e “inútil”.

Tanto o marxismo cultural, como a plutocracia globalista (de que o Macron é um representante eloquente), apostam fortemente na redução de QI médio das populações do Ocidente.

É neste contexto que a numeração romana foi banida dos museus do Louvre e de Carnavalet (os dois principais museus de França); por exemplo, “Luís XIV” passa a ser escrito (no museu) “Luís 14”; ou “século XVIII” passa ser escrito “século 18”.

Esta decisão, tipicamente macroniana, prometaica, pretende adaptar a Alta Cultura ao baixo QI do actual habitante de França que não percebe, por exemplo, por que razão o símbolo “III” significa “3”.

Nos últimos 30 anos, e com a imigração massiva, o QI médio em França tem baixado de uma forma assustadora. É estimado que os estudantes finalistas do ensino secundário francês actual tenham (em média) um nível de QI e conhecimentos semelhantes ao dos finalistas da escola primária em 1950.

Em vez de investir na educação dos cidadãos, a sociedade macroniana, presentista, prometaica, pretende que o ignorante se sinta feliz e livre das amarras de um passado considerado “absurdo” e “inútil”.

O relatório Matic adoptado pelo parlamento europeu

Este tipo de informação não passa nos me®dia portugueses, vendidos ao poder político globalista; e, mais grave: é sistemicamente escondido da opinião pública.


O relatório Matic, aprovado ontem pelo Parlamento Europeu, exige a promoção do aborto em todos os países da União Europeia, como sendo um direito humano fundamental — pasme-se! Abortar é agora um “direito humano fundamental”!

Mas não só: o parlamento europeu exige o acesso à contracepção sexual gratuita por parte de crianças a partir dos 12 anos de idade, e condena (e procura restringir, por via legal) a objecção de consciência (em relação ao aborto) por parte dos médicos.

Procurei saber a orientação dos votos dos deputados portugueses, mas esta informação está “escondida” da opinião pública: quem tem má consciência esconde a sua orientação de voto.


Adenda: a página em português do parlamento europeu está escrita na língua do Brasil (por exemplo: escreve “fato”, em vez de “facto”). Já não bastava termos alienado a nossa soberania; passamos agora, também, a ser obrigados a escrever e a ler em língua estrangeira.

A comissária europeia MijaTeVi, a defesa da degradação da cidadania, e a aliança entre o Francisco Louçã e o Pinto Balsemão

No seu livro “¿Por que falhou o liberalismo?” , o professor da universidade de Notre Dame, Patrick J. Deneen, tem um capítulo com o título “Degradação da cidadania”, em que ele descreve o processo — percorrido por aquilo a que se convencionou chamar de “liberalismo” — de retirada paulatina do poder político do cidadão e a concentração desse poder no Estado.

Naturalmente que Patrick J. Deneen faz a distinção entre “liberais clássicos”, por um lado, e “liberais progressistas”, por outro lado, mas também reconhece que essa distinção já não existe actualmente.

Um dos aspectos da “degradação da cidadania” é a sistemática transferência da autoridade moral do Estado nacional (por exemplo, o Estado português, ou Estado do Texas) para o super-estado do leviatão (por exemplo, a União Europeia, ou Washington).

A União Europeia começou com a política do “princípio da subsidiariedade”, para depois passar a impôr aos Estados as suas políticas internas.

A grande missão da União Europeia é a degradação das cidadanias nacionais da Europa.


MijaTeVi-web

A comissária MijaTeVi vomitou (literalmente) a cartilha ideológica do Bloco de Esquerda; trata-se de um discurso encomendado pela extrema-esquerda (trotskista internacionalista) que, em aliança com os “liberais” globalistas (para que se entenda melhor: é, metaforicamente, a aliança entre o Francisco Louçã e o Pinto Balsemão), controlam a União Europeia — numa altura em que a própria comunidade cigana vem reconhecer que o CHEGA tem razão: não se trata de racismo, mas antes de crítica a determinados comportamentos de grupo.

Este Leviatão, que é a União Europeia vendida aos ilogismos do “liberalismo” anti-nacional, tem que ser combatido com todos os meios possíveis.

Päivi Räsänen, vítima da polícia política dos panões

Um determinado comportamento individual não pode ser colocado na mesma categoria de uma determinada característica genética individual.

Por exemplo, o comportamento de um “roto” não pode ser comparado (ou colocados na mesma categoria) com a cor da pele de um negro.

Comparar um negro, por um lado, com um “abafador de palhinhas”, por outro lado, é insultuoso para o negro. A esmagadora maioria dos negros são bons pais de família.

Até hoje não há qualquer confirmação científica que demonstre que o comportamento de um “arrombado” é geneticamente transmitido. Não há tal coisa como um “gene guei”. Segundo a lógica darwinista, a transmissão genética do “apanascamento” é improvável: seria contra-natura — e contraditório em relação a teoria de Darwin — que o comportamento “invertido” se impusesse na selecção natural — embora haja uma teoria que diz que é possível transmitir geracionalmente a “viadagem” através da epigenética.


Paivi-Rasanen-webPäivi Räsänen é uma deputada ao parlamento finlandês pelo Partido Democrata-cristão finlandês, é médica e foi Ministra da Administração Interna da Finlândia entre 2011 e 2015.
Päivi Räsänen é cristã luterana. O marido de Päivi Räsänen é um pastor luterano, doutorado em teologia.

Em 2004, Päivi Räsänen escreveu um artigo que explicava (na opinião dela) a posição do cristianismo — e da Bíblia — em relação à ética sexual. Desde então, a polícia política finlandesa, coordenada pelo lóbi político guei, não a tem deixado em paz.

O ensaio de 2004 de Päivi Räsänen tem como título “Male and Female He Created Them: Homosexual relations challenge the Christian concept of humanity.”

A 2 de Março de 2020, Päivi Räsänen foi (mais uma vez) interrogada pela polícia política gayzista; o interrogatório durou cinco horas e meia. Ela já tinha sido interrogada e investigada pela polícia política gayzista no Outono de 2019 (interrogada durante quatro horas seguidas!), sendo que, naquela ocasião, a polícia política não conseguiu vislumbrar qualquer crime da parte de Päivi Räsänen.

Apesar de ter sido ilibada em 2019, o sistema político controlado pelos “panisgas” (à semelhança e imagem dos nazis) voltou a abrir um processo de investigação contra Päivi Räsänen, invocando novos dados de incriminação. Segundo Päivi Räsänen, ela será sujeita a — pelo menos — mais dois interrogatórios por parte da polícia política da “viadagem”, que poderão levar a um processo judicial por delito de opinião.

As ditas investigações “gayzistas” incluem a participação dela em um programa de televisão, durante o qual a Päivi Räsänen falou sobre a Bíblia, sobre Jesus Cristo, e sobre os conceitos cristãos de “pecado” e “graça”; e também um programa de rádio em que ela foi entrevistada sob o tema “¿O que Jesus Cristo pensaria acerca do movimento político guei?”. Ambas as entrevistas voltaram a ser (em 2020) alvo de investigação por parte da polícia política controlada pelos “rabolhos”.

Só em 2019, Päivi Räsänen foi sujeita a quatro interrogatórios policiais sob o pretexto de “discurso de ódio”.

Quem disser publicamente que “não concorda em tomar no cu”, incorre em “discurso de ódio”.

Isto significa que, para não incorrermos em “discurso de ódio”, temos todos que dizer que “gostamos de tomar no cu” — porque, de outro modo, a polícia política dos “rabolhos” abre um processo de investigação criminal. Somos todos obrigados (pela polícia política “rabeta”) a gostar de “tomar no cu”.

Não é possível discordar em relação ao comportamento dos “panilas”.

Segundo a Päivi Räsänen, esta perseguição política tem como finalidade “restringir a liberdade de expressão e de religião”, e é uma tendência de sinificação dos países da Europa. Trata-se de uma tentativa de instalação de um novo tipo de fascismo a nível europeu (União Europeia).


“O simples facto de existir um interrogatório policial acerca das minhas opiniões é uma ameaça às liberdades de expressão e de religião, funcionando como um meio de intimidação política.”
→ Päivi Räsänen

O caso de Päivi Räsänen é preocupante; mas, um dia destes, a conspiração “boiola” vira-se contra os conspiradores; e depois, os “arrombados” irão chorar baba e ranho, e berrar que “a Rússia de Putin e a Hungria de Orbán são fassistas!”.

As contradições dos soberanistas e dos europeístas

Portugal-no-Euro-webO Jaime Nogueira Pinto não pode ser soberanista, e simultaneamente ser contra atitudes soberanistas de alguns Estados da Europa. Ou melhor: poder, ele pode; mas não deve.

Eu não vejo por que razão os países que poupam e são comedidos nas suas contas orçamentais, devam ser responsabilizados pelos desmandos (pelos défices dos Orçamentos de Estado) dos gastos estatais de outros países.

Neste aspecto estou do acordo com o Telmo Três Nomes; mas o principal problema dos países do sul da Europa não é propriamente a dívida: em vez disso, o maior problema é o défice do Orçamento de Estado. A dívida pode ser até necessária para investimento, por exemplo. Mas se um país não tiver défice orçamental, pode ir pagando a dívida que tenha contraído.

A hipótese financeira dos “coronabonds” não é aceitável. Há outras formas de ajudar os países da União Europeia com necessidades especiais, sem se recorrer à mutualização da dívida dos Estados.

Porém, o Telmo Três Nomes também entra em contradição: não é possível ser-se europeísta (ser a favor da construção do leviatão da União Europeia, como ele parece ser), por um lado, e por outro lado defender a soberania financeira dos diversos Estados da União Europeia. Neste aspecto, e ao contrário dos liberais, os socialistas são coerentes.

eu-esta-vivo-web-650

O enviesamento do blasfemo

Segundo o blasfemo, a rainha britânica não tem “legitimidade democrática”; mas quando o Supremo Tribunal de Justiça do Reino Unido se pronuncia (em termos práticos) contra os resultados válidos de um referendo, então já existe “legitimidade democrática” para colocar em causa a democracia — porque vale tudo (até arrancar olhos) para manter o Reino Unido na União Europeia.

Não passa pela cabeça do blasfemo que o Supremo Tribunal de Justiça britânico possa não ter a “legitimidade democrática” necessária para se pronunciar contra a suspensão do parlamento — porque o que está realmente aqui em causa é a “legitimidade democrática” do resultado do referendo do Brexit, que o Supremo Tribunal de Justiça do Reino Unido não aceita; mas o blasfemo é zarolho, porque só vê a União Europeia por entre os antolhos.