A estratégia de branqueamento da conduta de Otelo Saraiva de Carvalho

1/ Uma das estratégias da Esquerda (e dos idiotas úteis) de branqueamento da figura do figurão Otelo, é a invocação do seu papel de “capitão de Abril”, ou seja, de co-autor do golpe-de-estado de 25 de Abril de 1974.

A bitola da conduta de vida dos capitães de Abril (por exemplo, capitão Salgueiro Maia [╬], capitão Vasco Lourenço, capitão Luís Macedo [╬], capitão Andrade da Silva, capitão Sousa e Castro, entre outros) é medida pela conduta do capitão Otelo Saraiva de Carvalho — o que é um insulto para os outros capitães, em geral, a quem não podemos assacar responsabilidades pessoais em crimes de sangue.

Ou seja, a Esquerda “mete” os capitães de Abril todos “no mesmo saco”, para assim supostamente branquear os crimes de Otelo Saraiva de Carvalho.

2/ Outra forma de “branquear” Otelo é o uso e abuso da figura jurídica (e ética) de “intenção”.

Por exemplo, no Direito Positivo, a intenção prévia à pratica de um acto (com consequências puníveis por lei), pode ser atenuada (ou agravada) em função da intenção do perpetrador — o assassínio por negligência, por exemplo, tem a atenuante da “intenção”, ou da “falta de intenção”.

Porém, no Direito como na ética, a intenção tem que ser objectivamente comprovada; não chega que se invoque subjectivamente a “intenção” para que o acto criminoso seja jurídica- e/ou eticamente atenuado.

Deixe uma resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s