O António Guterres dá o cu e dois tostões para ser reeleito na ONU

A actual narrativa da Esquerda — que controla a esmagadora maioria das instituições — é a de que qualquer pessoa que esteja em dissonância em relação ao discurso oficial esquerdista, é “neo-nazi” e “supremacista branco”.

guterres-da-o-cu

Se eu discordo do Guterres, seguramente que sou “neo-nazi”.


E mais: qualquer pessoa que defenda (por exemplo) a ligação estreita e necessária entre o Estado-Nação, por um lado, e a democracia representativa, por outro lado — é imediatamente classificada pela Esquerda (incluindo o Guterres) de “neo-nazi”, enquanto consequência lógica da aliança entre o globalismo (promovido pela plutocracia de Bilderberg), por um lado, e o internacionalismo neomarxista, por outro lado (a aliança tácita entre Pinto Balsemão e Francisco Louçã).

A guerra promovida pelas elites contra o Estado-Nação (apenas no Ocidente, mas já não na China, por exemplo), é avassaladora; e parece imparável, invencível (como os dinossauros desaparecidos).

Chegamos ao absurdo de verificarmos que os chamados “liberais” defendem hoje o fim da democracia (aliás, na esteira do que defendem o António Guterres e os neomarxistas: Les bons esprits se rencontrent…), como acontece com conhecido “liberal” belga Guy Verhofstadt que defende a abolição das democracias nacionais na Europa, e a instauração, em seu lugar, de um “império europeu”.

E quem se opõe a Guy Verhofstadt é certamente neo-nazi e supremacista branco. É o meu caso.

guterres-costa-taxamos o ar-web

Deixe uma resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s