O CDS está num beco sinuoso e apertado, de difícil saída

A Joana Bento Rodrigues escreveu o seguinte:

«Ora, muitos dos que apoiam e continuam a votar no CDS, fazem-no por convicção na sua doutrina e nos seus valores. Como tão bem referiu o líder [o Chicão] em entrevista recente, o CDS é o partido dos valores, do conservadorismo, “da solidariedade, da família, da vida, da dignidade da pessoa, da constância, da firmeza”.»

Mais adiante, ela escreve:

«(…) o CDS-PP, que se assume como democrata-cristão e da direita conservadora (…)»


Ora, o Chicão diz que o CDS é o “partido dos valores”, mas ficamos sem saber exactamente quais as consequências políticas da assunção esses valores, por um lado, e por outro lado, o Chicão não nos diz de onde esses “valores” são originários. A Joana Bento Rodrigues dá-nos uma pista, quando fala em “democracia-cristã”; mas a opinião da Joana não define a linha política e ideológica oficial do CDS — o conceito de “democracia-cristã” foi formal- e substantivamente banido do CDS desde que o Manuel Monteiro deixou a liderança daquele partido.

Os “Valores, do conservadorismo, da solidariedade, da família, da vida, da dignidade da pessoa”, têm uma origem ideológica e filosófica profundamente enraizada no Cristianismo.

Se retirarmos, aos tais “valores”, a influência histórica e cultural cristã, ficaríamos com uma mão cheia de nada: não saberíamos por que razão teríamos como dever adoptar a solidariedade, respeitar a família e da vida humana.

Isto não significa que todo o militante ou simpatizante do CDS teria que ser um religioso praticante; não é isso que eu pretendo dizer. O que eu digo é que o CDS terá que assumir publica- e oficialmente a matriz cristã do seu ideário — porque, caso contrário, em pouco se distingue formalmente do PSD ou do Partido Socialista. Em política, o formal tem muita importância.

Eu percebo a dificuldade do Chicão: em um tempo em que a Igreja Católica do Chiquinho se compraz sistemicamente com Haraquiris públicos e com cedências à extrema-esquerda, é compreensível que um líder do CDS tenha alguma vergonha em se afirmar “católico”.

Mas o conceito de “democracia-cristã” não tem que ser, necessariamente, restrito ao conceito do “católico que está na moda”; o conceito de “Cristianismo” ultrapassa largamente as modas pueris e radicais daquele Chicozinho que ocupa a cátedra do Vaticano.

chico-priests-web

Deixe uma resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s