¿Como é que os “iluminados” do regime não previram isto?!

«Para José Gil, a complexa equação que levou à subida de popularidade do Chega envolve o facto de o PS ter “integrado a extrema-esquerda no sistema” e de o PSD e o CDS terem “deixado de fazer oposição”. »

Ficarão para a História os reparos públicos censórios de Isabel Moreira em relação às opiniões de Assunção Cristas, e a subserviência da (então) líder do CDS/PP em relação à neurótica deputada do Partido Socialista, por um lado;

e, por outro lado, a formação da Geringonça (patrocinada pelo António Costa e pelo José Pacheco Pereira); e a noção prevalente — oriunda de José Pacheco Pereira, entre outros — de que tudo, na política portuguesa, faz parte de uma Enorme Esquerda (o Grande Partido), um pouco à semelhança do partido social-democrata russo que se dividia entre bolcheviques e mencheviques.

Criou-se na política portuguesa um unanimismo ideológico no que respeita aos aspectos fundamentais da gestão da pólis (política); e qualquer divergência da linha ideológica oficial — do Grande Partido da Grande Esquerda — estava sujeita à censura (mais ou menos violenta) do Totalitarismo de Veludo em vigor.

Tal como aconteceu com o regime do Estado Novo, o actual regime não admite refractários e divergências ideológicas fundamentais; e quem impõe a actual da lei-da-rolha são os auto-denominados “antifascistas” ideologicamente orientados por intelectualóides de urinol da estirpe do José Pacheco Pereira e/ou Daniel Oliveira.


Discordo (daquilo que li dele), quase na totalidade, das ideias de José Gil; este faz parte do actual problema nacional, e não apresenta quaisquer soluções.

Por exemplo, discordo do Gil quando este diz que “os partidos políticos não podem elevar-se contra um sistema a que pertencem”.

O que o Gil faz (talvez sem o saber) é invocar o teorema de Gödel (aplicado à metafísica) segundo o qual “é impossível (a um elemento componente do sistema) demonstrar a não-contradição desse sistema — bastante rico — pelos os seus próprios meios, ou mediante meios mais fracos”.

Porém, se um elemento do sistema estiver submetido à determinação de um outro elemento sistémico de ordem superior, as contradições do sistema em causa podem ser facilmente identificadas e, por isso, o sistema pode ser superado.

Deixe uma resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s