Schopenhauer é uma fraude

A filosofia (uma teoria) não pode ser um exercício paranóico de retórica subjectivista; ou uma logomaquia irracional e gongórica desenvolvida em nome da “complexidade filosófica” — como é o caso de Schopenhauer, como podemos ver aqui.

Schopenhauer passou a vida a copiar o modelo filosófico hindu e budista, tentando adaptar o monismo oriental ao idealismo alemão. Aliás, o idealismo alemão não fez outra coisa senão copiar os monismos orientais, desde que Schelling foi rebuscar o modelo cabalístico de Jacob Böhme, somou-lhe uns pozinhos ideológicos oriundos do monismo budista, e inventou o conceito de “dialéctica” — que Hegel veio depois a copiar e a desenvolver.

Schopenhauer é uma anedota; foi uma espécie de autor de livros de “auto-ajuda” do seu tempo; e não pode, de modo nenhum, ser colocado no mesmo patamar de Kant, ou mesmo ser comparado com este.

E é um erro falar em “construtivismo idealista”, referindo-se a Kant: seria como se disséssemos que “Platão foi um idealista” porque lucubrou acerca de um “mundo das ideias”; ou que Karl Popper foi um “idealista” porque tergiversou sobre o conceito de “Mundo 3”.

Deixe uma resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s